Gastos com controle de ferrugem chegam a US$ 2,7 bilhões no Brasil

128

     São Paulo, 2 de outubro de 2019 – Os gastos com o controle da ferrugem da soja no Brasil podem chegar a US$ 2,7 bilhões ao ano, destacou José Renato Bouças Farias, chefe-geral da Embrapa Soja, ao ser questionado pela Agência SAFRAS, durante evento sobre o mapeamento do genoma da ferrugem asiática, realizado em conjunto com a Bayer há pouco, em São Paulo. “Este valor não leva em conta os prejuízos causados pela queda de produtividade”, frisa, que acabam gerando menor volume para a comercialização

     Segundo Dirceu Ferreira Jr., diretor do Centro de Expertise em Agricultura Tropical da Bayer (CEAT), até 80% de uma lavoura de soja pode ser dizimada pelo fungo da ferrugem. “E o problema maior é no Brasil, pois outros importantes produtores, como Estados Unidos e Argentina, não sofrem com a doença”, lembra. “Nem mesmo na China, onde a ferrugem asiática teve sua origem”, acrescenta. De qualquer forma, ressalta o diretor, o mapeamento será bom para toda a América do Sul, pois há focos da doença no Paraguai e na Bolívia.

     Os motivos para estes custos tão significativos no combate, conforme Ferreira Jr., são a rápida mutação, adaptação e resistência do fungo aos produtos de controle. “Com o mapeamento, vai ser possível reduzir o tempo de lançamento de novos produtos, que chegam a 10 anos no Brasil”, pondera. “Mas é claro que sempre teremos o entrave dos prazos regulatórios, que variam de 5 a 6 anos no Brasil, enquanto nos Estados Unidos levam cerca de 1 ano e meio”, exemplifica.

     Rodrigo Ramos / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA