Colheita do trigo avança no PR, mas oferta ainda não pressiona

81

Porto Alegre, 4 de outubro de 2019 – A colheita do trigo no Paraná pode terminar antes do habitual. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, o rápido desenvolvimento das lavouras e a significativa evolução semanal dos trabalhos favorecem essa projeção. “Os preços no Paraná começam a recuar novamente, devido ao ingresso desta oferta de maneira mais representativa, em um curto espaço de tempo”, disse.

Por outro lado, as recentes secas no Paraná causaram estragos nas lavouras de trigo, reduzindo a produtividade observada na colheita. A meteorologia indica chuvas que, além de poder reduzir a intensidade dos trabalhos, pode causar maiores danos às lavouras restantes, levando a uma nova queda de produtividade geral.

“Por ser o principal produtor nacional, os impactos no quadro de oferta nacional tendem a ser sentidos nos referenciais de preços no mercado doméstico. Ou seja, mesmo com este período de ingresso de safra, e com o início da colheita no Rio Grande do Sul, os preços paranaenses já não deverão recuar de maneira mais acentuada”, analisou.

Além da situação das lavouras do Rio Grande do Sul e do Paraná, o mercado brasileiro acompanha as oscilações cambiais. A valorização do real em relação ao dólar reduz o custo das importações, favorecendo a indústria nacional, que necessita buscar parte abastecimento no mercado internacional.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita do trigo no Paraná atinge 70% da área, estimada em 1,023 milhão de hectares, contra 1,102 milhão de hectares em 2018, queda de 7%. As lavouras estão em boas condições (62%), condições médias (29%) e ruins (9%), divididas entre as fases de desenvolvimento vegetativo (1%), floração (10%), frutificação (51%) e maturação (38%).

Rio Grande do Sul

A colheita de trigo ainda não foi iniciada no Rio Grande do Sul. Segundo a Emater/RS, 3% das lavouras encontram-se em desenvolvimento vegetativo, 28% delas em fase de floração, 64% estão na fase de enchimento do grão e em 5% delas o trigo encontra-se em maturação (característica que se configura entre a maturação fisiológica e o ponto de colheita). Nesta safra, a área estimada pela Emater/RS-Ascar para o cultivo do trigo é de 739,4 mil hectares. A área de cultivo de trigo no RS corresponde a 37% da área brasileira de plantio com o grão.

USDA

Os estoques norte-americanos de trigo em 1o de setembro de 2019 totalizaram 2,385 bilhões de bushels – leve baixa em relação ao mesmo período de 2018. O mercado esperava os estoques em 2,318 bilhões de bushels. Os estoques trimestrais de trigo durum totalizaram 92,9 milhões de bushels, alta de 3% frente ao ano passado.

A produção de trigo dos Estados Unidos totaliza 1,962 bilhão de bushels em 2019, alta de 4% ante o total revisado para 2018, de 1,89 bilhão de bushels. O mercado esperava o número em 1,971 bilhão de bushels. A área colhida totalizou 38,1 milhões de acres, 4% abaixo do ano anterior. A produtividade das lavouras norte-americanas é estimada em 51,6 bushels por acre, 4,0 bushels acima do ano passado.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA