Oferta limitada garante novas altas para milho no Brasil

84

     Porto Alegre, 25 de outubro de 2019 – O mercado brasileiro de milho não perdeu fôlego e manteve preços em alta nas principais regiões nesta última semana. Com o mercado doméstico mantendo uma oferta restrita por parte dos produtores, há um descolamento da influência mais direta da Bolsa de Chicago e do câmbio.

     A recente queda do dólar e o comportamento de perdas em momentos na Bolsa de Chicago determinaram pressão sobre as cotações do milho nos portos, para exportação. Mas, internamente, os produtores seguem segurando o cereal e garantindo sustentação aos preços.

     Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a decisão de venda do produtor mantém a sustentação no mercado. Além da oferta estar limitada, os consumidores vêm demonstrando estarem com estoques apertados, o que completa o cenário para a subida nas cotações. O comprador que está precisando de milho no momento vai tendo de pagar mais para garantir seu abastecimento. Os produtores seguram o milho diante da apreensão com o clima para a safra de verão, esperando por possíveis altas mais significativas nas cotações.

     No Porto de Santos, na base de compra, o preço caiu na semana (entre 17 e 24 de outubro) de R$ 42,00 para R$ 40,00 a saca de 60 quilos.

     Já em Campinas/CIF, a cotação do milho, na base de venda, passou de R$ 45,00 para R$ 46,50. Já na Mogiana paulista, mercado subiu de R$ 42,50 a saca para R$ 44,00 na venda.

    Em Rio Verde, Goiás, o preço na venda passou de R$ 35,00 para R$ 35,50 a saca. Já em Uberlândia, Minas Gerais, a cotação se manteve estável em R$ 40,00 na venda.

     Em Cascavel, no Paraná, o valor do milho subiu de R$ 37,50 para R$ 39,00 a saca na venda, e em Rondonópolis, Mato Grosso, preço subiu de R$ 31,00 para R$ 35,00 a saca na venda.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA