Preço do suíno sobe com melhor reposição entre atacado e varejo

137

     Porto Alegre, 8 de novembro de 2019 – O mercado brasileiro de carne suína apresentou preços firmes no decorrer da semana, em meio à disponibilidade ajustada na oferta e a melhor reposição entre o atacado e o varejo. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, com a entrada salarial a tendência é que a demanda se mostre ainda mais aquecida no curto prazo, fator que pode abrir espaço para novos reajustes, tanto no atacado quanto no animal vivo.

     Ainda de acordo com o analista, neste último bimestre os preços devem ser favorecidos pela maior atuação das indústrias, com os preparativos para atender a demanda de final de ano (ápice do consumo doméstico) e pela expectativa de continuidade do alto fluxo de exportação, puxado pelas compras chinesas.

     Levantamento semanal de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil passou de R$ 4,62 para R$ 4,67, alta de 0,95%. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 8,16, alta de 1,87% frente aos R$ 8,01 praticados na semana passada. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,71, aumento de 0,82% frente à semana passada, de R$ 7,67.

     Uma importante notícia na semana foi que a China habilitou sete estabelecimentos de Santa Catarina para exportação de miúdos suínos. A habilitação é resultado das negociações realizadas durante viagem do presidente Jair Bolsonaro ao país asiático no fim de outubro. A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) esteve em Pequim no período de 18 a 25 do mês passado também em tratativas com o governo chinês.

     As plantas frigoríficas brasileiras foram habilitadas para comercializarem seis tipos de miúdos de suínos: pés, língua, focinho, máscara, orelha e rabo. Os estabelecimentos são BRF (Campos Novos), Pamplona Alimentos (unidades de Presidente Getúlio e Rio do Sul), Cooperativa Central Aurora Alimentos (unidades de Joaçaba e Chapecó) e Seara Alimentos (unidades de São Miguel do Oeste e Itapiranga).

     A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo ao longo da semana ficou em R$ 101,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 3,90 para R$ 3,95. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 4,80 para R$ 4,85. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração passou de R$ 3,90 para R$ 4,00. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 4,90 para R$ 4,95. No Paraná o quilo vivo passou de R$ 4,90 para R$ 5,00 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo subiu de R$ 3,85 para R$ 3,90.

     No Mato Grosso do Sul a cotação na integração permaneceu em R$ 3,90, enquanto em Campo Grande o preço continuou em R$ 4,00. Em Goiânia, o preço avançou de R$ 5,30 para R$ 5,35. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno seguiu em R$ 5,40. No mercado independente mineiro, o preço também permaneceu em R$ 5,40. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis passou de R$ 4,15 para R$ 4,20. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 3,85.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA