Dólar fecha na máxima histórica com incertezas sobre guerra comercial

96

     Porto Alegre, 18 de novembro de 2019 – O dólar comercial fechou em alta de 0,38% no mercado à vista, cotado a R$ 4,2070 para venda, renovando a máxima histórica de fechamento, de R$ 4,1970, alcançado em 13 de setembro do ano passado durante as eleições presidenciais. Ao contrário do otimismo exibido em boa parte dos negócios, as incertezas em torno da guerra comercial provocaram um mau humor nas moedas de países emergentes, como a moeda local.

    “Foi um movimento de cautela, após declarações do presidente [norte-americano] Donald Trump, que afirmou que não haverá reversão de tarifas já impostas aos produtos chineses. Isso atingiu em cheio as moedas ligadas emergentes que passaram a cair fortemente frente ao dólar”, comenta o diretor superintendente de câmbio da Correparti, Jefferson Rugik.

    O peso mexicano, por exemplo, caiu ao redor de 0,70% frente ao dólar, enquanto a moeda local renovou máximas a R$ 4,2090 (+0,43%) na maior cotação intraday do ano. Com a forte escalada da moeda estrangeira, o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, avalia que a balança comercial “mais frágil” aponta para um dólar mais forte.

    “Dados da balança comercial semanal apontam que o Brasil já roda déficits comerciais mais fortes. Os números divulgados hoje apontam déficit de US$ 482 milhões na semana passada. Isso é mais uma notícia ruim para o real que já sofre com os efeitos difusos da guerra comercial, a erupção de revoltas pela América Latina e os juros baixos no País, que atraem menos divisas pelo motivo de especulação”, ressalta.

    Amanhã, com a agenda de indicadores mais fraca, o economista da Guide Investimentos, Victor Beyrutti, comenta que a guerra comercial entre norte-americanos e chineses seguirá no radar dos investidores. Assim como o Banco Central (BC). “Vamos aguardar se ele entra no mercado com a moeda acima de R$ 4,20”, diz.

    Analistas comentam que a falta de liquidez no mercado talvez esteja inibindo a autoridade monetária, já que feriados locais na semana passada e no meio desta semana influenciaram em baixos negócios.

     As informações partem da Agência CMA.

Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA