Banco central chinês corta taxas principais de empréstimo

97

     São Paulo, 20 de novembro de 2019 – As taxas de empréstimo principais (LPRs, na sigla em inglês) de curto e longo prazo caíram neste mês à medida que Pequim aumenta os esforços para conter uma desaceleração econômica. As informações são da agência de notícias “Dow Jones”.

     A taxa de empréstimo principal de um ano, um índice de referência que foi renovado em agosto, caiu de 4,2% em outubro para 4,15% em novembro, afirmou o Banco do Povo da China (Pboc, o banco central do país). A taxa referencial do banco permaneceu estável no mês passado depois de cair em agosto e setembro.

     A LPR de cinco anos também declinou, caindo de 4,85% para 4,8%. É a primeira vez que a taxa de referência de longo prazo é cortada desde que o Pboc remodelou a estrutura das taxas de juros em agosto e pediu aos credores do país para utilizarem a renovada LPR para ajustar os novos empréstimos.

     As novas taxas de empréstimo são definidas mensalmente baseadas em cotações de 18 bancos comerciais bancos escolhidos. Apesar dos esforços do banco central para definir os custos de empréstimo para baixo, a taxa de juros real para negócios e compras residenciais têm permanecido elevadas, dizem economistas.

     Em um encontro com banqueiros, o governador do Pboc, Yo Gang, pediu aos bancos para “realmente se apoiarem à taxa de empréstimo principal para levar as taxas de juros para baixo”, prometendo levar os índices para baixo.

     O custo para bancos comerciais emprestarem do banco central já entrou em declínio. No início dessa semana, Pequim cortou a taxa de recompra reversa de sete dias de 2,55% para 2,5%.

     Os ajustes nos índices aconteceram logo após que o crescimento econômico do país diminuiu para 6% no terceiro trimestre, caindo direto na meta de linha de base do governo central para o Produto Interno Bruto (PIB). As leituras do crescimento econômico da China desaceleraram em outubro, com números decepcionantes na produção industrial, no consumo das famílias e no investimento em ativos fixos.

     Com informações da agência CMA.

Copyright 2019 – Grupo CMA