Café tem dias de fortes altas em NY e no Brasil

102

     Porto alegre, 22 de novembro de 2019 – O mercado internacional do café teve uma semana de fortes altas nos preços, puxados pelo arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Somente nas sessões de quarta-feira e quinta-feira (20 e 21) de novembro, o contrato março/2020 do arábica subiu quase 10%. No Brasil, o mercado físico de café acompanhou o movimento e as cotações do arábica ao produtor se aproximaram da importante marca de R$ 500,00 a saca de 60 quilos.

     Em NY, não houve muitos fundamentos por trás das bruscas subidas. A valorização do petróleo e do índice de commodities CRB estimulou um forte movimento de compras de fundos e especuladores também no café. Tecnicamente, a bolsa foi avançando e superando resistências, acionando stops de compra de vendidos e acelerando o movimento altista. O consultor de SAFRAS & Mercado, Gil Barabach, ressalta que os ganhos estiveram mais atrelados a aspectos técnicos e ao petróleo.

     Nos fatores fundamentais, o cenário segue de pressão sobre as cotações. A ampla oferta global pesa sobre os preços. O Brasil vem mantendo forte fluxo nas exportações e a safra do próximo ano conta agora com um clima mais benéfica, com especulações de que a produção pode chegar próxima ou superar o recorde de 2018. Afora isso, o final do ano marca a entrada da safra de importantes origens, como Vietnã, Colômbia e países da América Central. Ou seja, o quadro segue confortável para os consumidores.

     De positivo para os preços nos fundamentos, na semana, foi a divulgação do relatório novo do adido do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) no Brasil. O adido reduziu de 59,3 para 58 milhões de sacas de 60 quilos a estimativa da safra brasileira de café deste ano (2019/20).

     No balanço da semana, o contrato  março em NY subiu de 111,50 centavos a saca de 60 quilos (fechamento da quinta-feira 14/11) para 116,26 centavos nesta última quinta-feira (21), acumulando uma alta de 4,26%. Já o robusta na Bolsa de Londres não teve o mesmo desempenho e no mesmo comparativo recuou de US$ 1.421 para US$ 1.402 a tonelada.

     No mercado físico brasileiro de café, as cotações do arábica subiram bem na semana, seguindo o comportamento de NY e também apoiados no dólar firme, próximo de R$ 4,00. No comparativo da quinta-feira (21) com a quinta-feira anterior (14), o café arábica bebida boa subiu de R$ 465,00 para R$ 490,00 a saca na base de compra no sul de Minas Gerais. O conilon tipo 7 em Vitória/Espírito Santo avançou menos, até pelo comportamento do robusta londrino. O conilon subiu no comparativo de R$ 305,00 para R$ 308,00 a saca.

     Com as bruscas altas, tanto compradores quanto vendedores se mostraram “assustados” e as negociações acabaram limitadas a lotes menores na semana.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA