Mercado de frango registra boa demanda e preço volta a subir

117

     Porto Alegre, 6 de dezembro de 2019 – O mercado brasileiro de frango fechou a primeira semana de dezembro com um movimento de alta tanto no atacado quanto no quilo vivo pago ao produtor. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, esse movimento é normal para esta época do ano, mas ganha o reforço pela forte alta registrada no preço da carne bovina. “A forte demanda vem favorecendo um reajuste de preço das proteínas animais alternativas à carne bovina, como a carne de frango”, explica.

     De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram alterações para os cortes congelados de frango na última semana de novembro frente ao fechamento do mês anterior. O quilo do peito no atacado passou de R$ 6,45 para R$ 6,60, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,25 e quilo da asa avançou de R$ 10,40 para R$ 10,60. Na distribuição, o quilo do peito aumentou de R$ 6,65 para R$ 6,70, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,35 e o quilo da asa subiu de R$ 10,40 para R$ 10,60.

     Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de mudanças ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito subiu de R$ 6,55 para R$ 6,70, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,37 e o quilo da asa passou de R$ 10,48 para R$ 10,68. Na distribuição, o preço do quilo do peito avançou de R$ 6,75 para R$ 6,80, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,47 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,68 para R$ 10,88.

     Levantamentos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) mostram que as exportações brasileiras de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e industrializados) alcançaram 332 mil toneladas em novembro, volume 3,1% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram embarcadas 321,9 mil toneladas.

     A receita cambial das vendas de novembro alcançou US$ 537,5 milhões, 2,1% acima do registrado no décimo primeiro mês de 2018, com US$ 526,7 milhões.

    No ano, as exportações de carne de frango acumulam alta de 2%, com total de 3,822 milhões de toneladas embarcadas entre janeiro e novembro de 2019, contra 3,748 milhões de toneladas efetivadas no mesmo período do ano passado. Com isto, a receita cambial alcançou US$ 6,358 bilhões, 6,1% acima do realizado no mesmo período de 2018, com US$ 5,990 bilhões.

     O levantamento mensal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo permaneceu em R$ 3,50. Em São Paulo o quilo vivo passou de R$ 3,35 para R$ 3,45.

     Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,49. No oeste do Paraná o preço continuou em R$ 3,10. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo se manteve em R$ 3,10.

     No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango continuou em R$ 3,45. Em Goiás o quilo vivo permaneceu em R$ 3,45. No Distrito Federal o quilo vivo permaneceu em R$ 3,50.

     Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 4,20. No Ceará a cotação do quilo vivo se manteve em R$ 4,20 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 4,40.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA