Bayer está mudando formulação do dicamba para reduzir volatilidade

675

     Porto Alegre, 13 de dezembro de 2019 – O presidente da divisão Crop Science da Bayer, Gerhard Bohne disse, em São Paulo (SP), em encontro com a imprensa, que a multinacional está fazendo modificações na formulação do herbicida dicamba em função dos problemas de deriva ocorridos nos Estados Unidos. A nova tecnologia é utilizada para o controle de ervas daninhas de folhas largas e deverá ser comercializada no Brasil a partir da safra 2021/22, junto à plataforma Intacta 2 Xtend.

     Bohne ressalta que foi adicionado um tipo diferenciado de sal junto à formulação do dicamba para reduzir a volatilidade, bem como foi desenvolvido um adjuvante à base de óleo que dará um peso maior à gota no momento da aplicação do produto. “A aplicação do produto nas lavouras será feita com bicos específicos voltados à tecnologia, que estão sendo desenvolvidos junto a empresas de aplicação de defensivos para serem adaptados às máquinas”, explica.

     A ideia da Bayer é obter registro para o dicamba no Brasil o quanto antes, que será uma alternativa aos produtores em relação ao herbicida 2,4-D, usado atualmente para o controle de plantas daninhas mas que vem sendo questionado em razão por problemas de contaminação que tem gerado, devido à deriva, em culturas não resistentes ao produto.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA