Boris Johnson é eleito primeiro-ministro com ampla maioria no Reino Unido

315


     São Paulo, 13 de dezembro de 2019 – O Partido Conservador do Reino Unido foi eleito com ampla maioria nas eleições realizadas ontem, levando o líder do partido, Boris Johnson, de volta ao cargo de primeiro-ministro e aumentando as chances de que o Brexit será entregue.

     Os conservadores receberam 43,6% dos votos, e conquistaram 364 cadeiras no Parlamento britânico, garantindo assim maioria entre os 650 assentos da casa para formar um governo. O partido aumentou sua presença em 66 assentos ante a votação anterior, de 2017.

     O Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, recebeu 32,2% dos votos, e obteve 203 cadeiras no Parlamento, 42 a menos do que na eleição anterior. Já o Partido Nacional Escocês teve 3,9% dos votos e 48 cadeiras, 13 a mais, enquanto os Liberais Democratas conquistaram 11,5% dos votos e 11 assentos, dez a menos do que nas eleições anteriores.

   “O governo conservador desta nação recebeu um novo e poderoso mandato para entregar o Brexit” disse Johnson, quando as pesquisas de boca de urna já apontavam sua vitória. “E não apenas para entregar o Brexit, mas para unir esse país, levá-lo para a frente e focar nas prioridades do povo britânico, e acima de tudo no sistema nacional de saúde”.

     Johnson agradeceu às pessoas que votaram nesta eleição de dezembro, no frio, que se tornou uma eleição histórica e “que nos dá agora a chance de respeitar a vontade democrática do povo britânico, de mudar este país para melhor e liberar o potencial das pessoas deste país”.

     Após ter sua vitória confirmada, Johnson disse que “entregar o Brexit é agora uma decisão irrefutável, irresistível e indiscutível do povo britânico e com esta eleição acho que colocamos fim a todas aquelas ameaças miseráveis de um segundo referendo”.

     O novo Parlamento deve levar adiante o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), conforme prometido por Jonhson desde que assumiu o cargo de premiê, em maio desde ano, sucedendo a ex-primeira-ministra Theresa May. O Brexit que já foi adiado três vezes, e o prazo atual é até 31 de janeiro de 2020.

     As informações são da agência CMA.

Copyright 2019 – Grupo CMA