OIC vê queda na produção e desaceleração no consumo global de café

892

     Porto Alegre, 08 de janeiro de 2020 – A produção global de café no ano-safra 2019/20 (outubro-setembro) deve totalizar 168,711 milhões de sacas, queda de 0,9% na comparação com 2018/19 (170,223 milhões de sacas) disse a Organização Internacional do Café nesta quarta-feira.

     A produção mundial de café arábica está estimada em 96,215 milhões de sacas em 2019/20 (-4,1%), influenciada pela queda na safra brasileira de 2019, ano de ciclo “baixo” no país. Por outro lado, a safra de robusta deve aumentar 3,7%, totalizando 72,496 milhões de sacas.

     Já o consumo global de café em 2019/20 é visto pela OIC em 169,337 milhões de sacas, com crescimento anual de 0,7%.

     Se todos esses números forem confirmados, o mercado global de café terá um déficit entre a oferta e a demanda na ordem de 626 mil sacas em 2019/20, após um superávit de 2,1 milhões de sacas observado em 2018/19.

     Nos últimos dez anos, a produção global de café cresceu numa taxa anual de 2,6%, passando de 140 milhões de sacas em 2010/11 para as quase 169 milhões de sacas estimadas para a temporada em curso.

     Globalmente, os três maiores produtores de café são o Brasil, Vietnã e Colômbia, responsáveis atualmente por cerca de 70% da produção global total. Dez anos atrás, esses três países produziam 60% da safra global.

     Segundo a OIC, o Brasil tem a produção total de 2019/20 (colhida em 2019) estimada em 57 milhões de sacas, queda de 12,2% ante 2018/19, provocada pelo declínio de 18,6% na produção de café arábica.

     A taxa de longo prazo do crescimento anual da demanda internacional de café é de 2,2%, o que fez o consumo passar de 90,71 milhões de sacas para 169 milhões de sacas. O crescimento anual para 2019/20, projetado em 0,7%, pode ser considerado modesto, já que é 2,7 pontos porcentuais menor que o aumento verificado em 2018/19, mas, ainda assim “representa uma elevação de 1,24 milhão de sacas em termos absolutos na demanda global de café projetada para a atual temporada”.

     Para a OIC, os preços mais baixos durante o último ano cafeeiro provavelmente impulsionaram as importações e consumo nos Estados Unidos e na Europa, mas tendem a desacelerar no ano em curso, à medida que os preços do café vão subindo. Além disso, uma desaceleração do crescimento econômico global, particularmente para os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento, conforme descrito pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em seu relatório “Perspectivas Econômicas Mundiais”, pode desacelerar o crescimento do consumo de café. Em 2019/20, a demanda de café deverá cair 0,6% na Europa, para 55,4 milhões de sacas.   

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) – Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA