Pessimismo mundial deve contaminar negócios de soja no Brasil

515

     Porto Alegre, 21 de janeiro de 2020 – O mercado brasileiro de soja deve ter um dia de poucos negócios, contaminado pelo pessimismo mundial, após o surto de novo vírus na China já ter matado quatro pessoas. Tal fato afasta os investidores dos mercados de risco em geral, como o de commodities. A Bolsa de Mercadorias de Chicago registra uma queda de mais de 0,5%. O dólar opera com leve alta, e não deve trazer grande influência na formação de preços.

CHICAGO

* Os contratos com vencimento em março de 2020 operam cotados a US$ 9,23 por bushel, perda de 6,75 centavos de dólar por bushel, ou 0,72%, em relação ao fechamento anterior.

* A bolsa reabre após o feriado de Martin Luther King pressionada pela queda generalizada nos mercados pelo mundo, tanto de ações como de commodities. Os mercados em geral refletem preocupações com o surto de um novo vírus na China, que já matou quatro pessoas no país. Conforme a Agência CMA, os investidores avaliam o impacto econômico de um surto de coronavírus na China, que tira o apetite por mercados de risco.

PRÊMIOS

* O prêmio em Paranaguá para fevereiro ficou em 50 a 58 pontos acima de Chicago. Para março, o valor é de 50 a 55 pontos acima.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra valorização de 0,02% a R$ 4,1910.

INDICADORES FINANCEIROS

* As bolsas da Ásia fecharam em queda. Xangai, -1,41%; e Tóquio, -0,91%.

* As principais bolsas na Europa operam em baixa. Paris, -0,74%; Frankfurt, -0,15% e Londres, -0,94%.

* O petróleo opera em baixa. Fevereiro do WTI em NY: US$ 57,85 o barril (-1,17%).

* O Dollar Index registra baixa de 0,19% a 97,175 pontos.

MERCADO INTERNO

* Os preços da soja ficaram predominantemente estáveis, no Brasil, nesta segunda-feira. Sem seu principal referencial – com a Bolsa de Mercadorias de Chicago fechada devido ao feriado nos Estados Unidos – e sem negócios relevantes, as cotações pouco oscilaram. O foco do mercado esteve sobre as lavouras da oleaginosa.

* Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos caiu de R$ 84,50 para R$ 84,00 a saca. Na região das Missões, a cotação passou de R$ 84,00 para R$ 83,50. No porto de Rio Grande, o preço desvalorizou de R$ 88,50 para R$ 88,00.

* Em Cascavel, no Paraná, o preço seguiu em R$ 84,00 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca permaneceu em R$ 88,50.

* Em Rondonópolis (MT), a saca seguiu em R$ 81,00. Em Dourados (MS), a cotação estabilizou em R$ 78,00. Em Rio Verde (GO), a saca permaneceu em R$ 81,00.

AGENDA

—-Terça-feira (21/01)

– Inspeções de exportação semanal dos EUA – USDA, 14hs.

—–Quarta-feira (22/01)

– O BC divulga às 14h30 os dados do fluxo cambial até a sexta-feira passada.

—–Quinta-feira (23/01)

– O IBGE divulga às 9h os dados sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor – 15 (IPCA 15) referentes a janeiro.

– Eurozona: A decisão de política monetária será publicada às 9h45 pelo Banco Central Europeu (BCE);

– A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 13h00 pelo Departamento de Energia (DoE).

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (24/01)

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, na parte da manhã.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

    Rodrigo Ramos (rodrigo@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA