Preço do suíno despenca 2,8% no Brasil, com queda na demanda

259

    Porto Alegre, 24 de janeiro de 2020 – O mercado brasileiro de carne suína registrou mais uma semana de viés negativo para os preços no atacado e para o quilo vivo pago ao produtor no Centro-Sul, em linha com um ritmo lento de negócios ao longo da cadeia. “Com o fraco escoamento da carne no mercado interno, os frigoríficos atuaram de maneira mais cautelosa nas negociações envolvendo animais, pressionando as cotações”, justifica o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia.

     Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil passou de R$ 5,27 para R$ 5,12, baixa de 2,86%. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado recuou 0,77%, de R$ 9,29 para R$ 9,21. A carcaça registrou um valor médio de R$ 8,63, queda de 2,89% ante os R$ 8,88 praticados na semana anterior.

     O analista entende que a demanda doméstica tende a seguir sentindo o efeito da descapitalização das famílias no curto prazo, contando neste início de ano com gastos extras e pagamentos de impostos, como o IPVA. “Também houve uma desaceleração das exportações brasileiras de carne suína na última semana, ainda que os números, de maneira geral, permaneçam positivos”, pontua.

     Maia afirma que os chineses diminuíram um pouco o ritmo nas compras, após a forte importação ocorrida em dezembro, onde buscaram uma posição para o Ano Novo Lunar, que acontece no próximo final de semana. Vale destacar que o rebanho e a produção de carne suína na China continuam reduzidos, consequência da peste suína africana, o deve levar o país a atuar de maneira intensa nas importações ao longo de 2020.

     As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 90,9 milhões em janeiro (14 dias úteis), com média diária de US$ 7,6 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 34 mil toneladas, com média diária de 2,8 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.671,80.

     Em relação a dezembro, houve queda de 7,1% na receita média diária, baixa de 9,7% no volume diário e avanço de 2,9% no preço. Na comparação com janeiro de 2019, houve aumento de 98,1% no valor médio diário exportado, ganho de 49,0% na quantidade média diária e elevação de 33% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

     A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo ao longo da semana baixou de R$ 118,00 para R$ 113,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo recuou de R$ 4,20 para R$ 4,15. No interior do estado a cotação baixou de R$ 5,60 para R$ 5,40.

     Em Santa Catarina o preço do quilo na integração permaneceu em R$ 4,30. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 5,70 para R$ 5,60. No Paraná o quilo vivo retrocedeu de R$ 5,70 para R$ 5,60 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo retrocedeu de R$ 4,15 para R$ 4,10.

     No Mato Grosso do Sul a cotação na integração permaneceu em R$ 4,30, enquanto em Campo Grande o preço caiu de R$ 4,50 para R$ 4,40. Em Goiânia, o preço baixou de R$ 6,20 para R$ 6,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno teve queda de R$ 6,30 para R$ 6,00. No mercado independente mineiro, o preço recuou de R$ 6,40 para R$ 6,00. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis baixou de R$ 4,85 para R$ 4,80. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 4,10.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA