Importação de milho da Argentina custa R$ 51/saca nos portos – SAFRAS

1013

     Porto Alegre, 28 de janeiro de 2020 – A importação de milho da Argentina tem um custo estimado superior a R$ 51 por saca nos portos, segundo levantamento realizado por SAFRAS & Mercado, aparecendo como uma alternativa interessante nesse momento em que o cereal aparece com preços elevados em todo o Brasil.

     Segundo SAFRAS & Mercado, a Argentina aparece com uma boa opção para a importações de milho neste primeiro semestre. Por conta de informações distorcidas no mercado, contudo, muitos acreditam que as taxações promovidas pelo governo argentino às exportações locais inibirão as vendas na exportação ou, pior ainda, que as tarifas serão repassadas aos preços de exportação. Efetivamente, nenhuma das alternativas é correta. As tarifas são internas e os preços são determinados pelo mercado internacional. “Quem pagará os impostos são os produtores locais e não o importador”, explica o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari.

     Desta forma, a Argentina tem preços FOB hoje equilibrados aos preços internacionais, nem muito mais altos, nem muito mais baixos. Ou seja, nada mudou. “A Argentina terá 48 milhões de toneladas de milho e 53/55 milhões de toneladas de soja, das quais a maior parte terá que ser exportada, com impostos ou sem impostos adicionais” comenta.

     Para o mercado brasileiro, hoje a referência de custos de importação é que realmente vale para os preços internos no primeiro semestre. Neste caso, os preços FOB na Argentina para março e abril estão em torno de US$ 179/180 FOB. Com os fretes marítimos e os custos portuários de desembarque no Brasil o preço CIF PORTO está em torno de US$ 210/215/tonelada. Na atual taxa de câmbio, o custo no porto é de R$ 51/saca aproximadamente. Dependendo do destino do milho, o custo CIF indústria vai de R$ 54 a R$ 60/saca.

      Apenas a região Nordeste tem esta composição para importação neste momento. Os preços CIF internos na região chegaram a R$ 60/62/saca e viabilizam a importação. Porém, o único estado a anunciar importação em dezembro para chegada de navios em janeiro foi Pernambuco e, até o momento, não há qualquer navio nomeado na Argentina para embarque com destino ao Brasil. Acompanhe mais detalhes sobre os custos para importação de milho pelo Brasil na tabela abaixo.

================================================================

CUSTOS DE IMPORTAÇÃO – MILHO

—————————————————————-

DISCRIMINACAO

                                                  ARG       EUA

Cotação (USS/Ton)                              179,00    169,28

Carga e Frete Maritimo (US$/Ton)                15,00     25,00

CUSTO CIF PORTO (US$/Ton)                      194,00    194,28

CUSTOS INTERNOS  (R$/TON)

Frete Interno – **                                0,00      0,00

Despesas Portuárias                              41,70     41,70

ICMS                                              0,00      0,00

Quebra – 0.025%                                   1,87      1,76

Corretagem Cambial – 0,1875%                      1,40      1,32

PIS – COFINS – 9.25%                              0,00      0,00

Comissões e Taxas                                 2,09      2,09

TTL custos internos                              47,05     46,87

Custo Liq/Ton (R$/Ton)                          856,03    857,03

Custo Liq/saca (R$/saca) PORTO                   51,36     51,42

Taxa cambial                                      4,17      4,17

FONTE: SAFRAS & MERCADO

(**) Frete interno de acordo com o destino – R$ 7/8/saca adicional

===================================================================

     Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA