Dólar a R$ 4,30 sustenta preços internos da soja

188

     Porto Alegre, 7 de fevereiro de 2020 – O cenário para os negócios com soja pouco se alterou nessa sexta no Brasil. Chicago opera perto da estabilidade, mas o dólar segue firme, dando sustentação aos preços internos. A movimentação melhorou na quinta, mas segue restrita pela preferência do produtor nos trabalhos de colheita.

CHICAGO

* Os contratos com vencimento em março de 2020 operam cotados a US$ 8,81 1/4 por bushel, ganho de 0,25 centavo de dólar por bushel, ou 0,02%, em relação ao fechamento anterior.

* A oleaginosa tenta enfileirar a quinta alta seguida. Porém, a fraca demanda chinesa pelo produto norte-americano limita o ímpeto comprador.

* No acumulado da semana, os ganhos giram em torno de 1%. Se confirmado, será o primeiro avanço após três semanas consecutivas de queda, com perdas acumuladas de quase 8%.

PREMIOS

* O prêmio em Paranaguá para fevereiro ficou em 62 a 68 pontos acima de Chicago. Para março, o valor é de 60 a 65 pontos acima.

CÂMBIO

* O dólar comercial tem alta firme frente ao real após abrir o pregão renovando a máxima histórica, acima de R$4,30, refletindo os receios de investidores globais com os impactos do coronavírus nas economias de países emergentes, além de um movimento local de proteção.

* Às 10h09 (de Brasília), a moeda norte-americana operava em alta de 0,16% no mercado à vista, cotada a R$ 4,2930 para venda, depois de chegar à máxima história de R$ 4,3020 (+0,37%). O contrato futuro para março subia 0,24%, a R$ 4,2980. Lá fora, o Dollar Index tinha leve alta de 0,07%, aos 98,562 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* Bolsas da Ásia fecham mistas. Tóquio, -0,19%. Xangai, +0,33%.

* As bolsas na Europa operam com perdas. Paris, -0,34%; Frankfurt, -0,55%; e Londres, -0,60%. 

* O petróleo opera em baixa. Março do WTI em NY: US$ 50,33 o barril (-1,23%).

* O Dollar Index registra ganho de 0,02%. a 98,52 pontos.

MERCADO INTERNO

* O mercado brasileiro de soja teve um dia mais movimentado nesta quinta. SAFRAS estima que ao menos 250 mil toneladas trocaram de mãos. Os preços oscilaram entre estáveis e mais altos, acompanhando a forte alta do dólar e os ganhos moderados de Chicago.

* Destaque para a movimentação envolvendo 150 mil toneladas no Paraná. Há registros ainda de negócios em torno de 50 mil em São Paulo.

* Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos permaneceu em R$ 82,50. Na região das Missões, a cotação ficou em R$ 81,50. No porto de Rio Grande, o preço subiu de R$ 86,00 para R$ 86,50.

* Em Cascavel, no Paraná, o preço avançou de R$ 79,00 para R$ 80,00 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca pulou de R$ 85,00 para R$ 86,50.

* Em Rondonópolis (MT), a saca subiu de R$ 75,50 para R$ 76,00. Em Dourados (MS), a cotação passou de R$ 73,00 para R$ 73,50. Em Rio Verde (GO), a saca seguiu em R$ 79,00.

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA