Retração do produtor sustenta preços do milho no Brasil

722


     Porto Alegre, 14 de fevereiro de 2020 – O ritmo dos negócios envolvendo milho safrinha no Brasil segue acelerado. A comercialização da segunda safra de milho de 2020 atingiu 20,2% da produção estimada até 7 de fevereiro, segundo relatório divulgado por SAFRAS & Mercado. O ritmo está acelerado na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando o total comprometido chegava a 11%.

      SAFRAS projeta que a safrinha brasileira em 2020 deverá totalizar 74,998 milhões de toneladas. Em 2019, a produção do país ficou em 74,434 milhões de toneladas.

     O mercado doméstico de milho seguiu com preços firmes ao longo da semana, com estabilidade em algumas regiões produtoras e altas sendo registradas em outras. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, nas áreas onde há colheita da safra de verão em andamento, os preços estão “acomodados”, enquanto onde os trabalhos ainda não iniciaram, os preços sobem.

      No Porto de Santos, o preço ficou entre R$ 42,50 e R$ 50,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço entre R$ 42,50 e R$ 48,00 a saca.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 45,50/46,50 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 49,00/51,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 53,50 – R$ 54,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 48,50/50,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 49,00/50,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 46,00 – R$ 47,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 44,00/45,00 a saca em Rondonópolis.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA