Dólar dispara, restringe ainda mais oferta e milho segue em alta

513

     Porto Alegre, 06 de março de 2020 – O mercado brasileiro de milho teve mais uma semana de avanços nas cotações. Em linhas gerais, a oferta limitada segue garantindo as subidas graduais nos preços. E a continuação das altas no dólar, com patamares recordes atingidos dia a dia, agravou a restrição na oferta do cereal.

     Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, o foco continua na colheita, transporte e comercialização da soja. Seguem as dificuldades com fretes, caros e escassos. “O fluxo é muito forte de negócios com a soja, complicando a logística do milho, que segue com oferta restrita. É intensa a demanda regional pelo milho”, comenta.

     Apesar das colheitas estarem avançando no Sul e Sudeste, as ofertas são restritas e rapidamente são absorvidas pelos consumidores, ressaltou o consultor. Com a disparada do dólar contra o real, há ainda mais restrição nas vendas de milho.

     No balanço semana, entre os dias 27 de fevereiro e 05 de março, o preço em Campinas CIF, na base de venda, subiu de R$ 55,00 para R$ 58,00 a saca de 60 quilos. Na Mogiana paulista, a cotação avançou no comparativo semanal de R$ 52,00 para R$ 55,00 a saca.

     Em Cascavel, no Paraná, o milho passou de R$ 47,00 a saca para R$ 49,00. Em Rondonópolis, Mato Grosso, houve exceção e o milho recuou de R$ 47,00 a saca na venda para R$ 46,00.

     Em Erechim, Rio Grande do Sul, o milho avançou de R$ 49,00 para R$ 50,00 a saca.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA