Oferta limitada deve manter comercialização de milho travada no Brasil

142


     Porto Alegre, 13 de março de 2020 – O mercado brasileiro de milho deve fechar a semana com um ritmo de negócios praticamente travado. O movimento de retenção de oferta prossegue por parte do produtor, que monitora a falta de chuva em importantes regiões produtoras da safrinha. No cenário internacional, a Bolsa de Chicago se recupera e registra ganhos.

CHICAGO

* Os contratos de milho com entrega em maio operavam a US$ 3,70, com alta de 4,25 centavos ou 1,16%.

* O cereal busca suporte em fatores técnicos, acompanhando o movimento de recuperação do petróleo e dos mercados em geral. O anúncio de vendas dos Estados Unidos à Coreia do Sul também contribui positivamente.

* Os exportadores privados norte-americanos reportaram ao Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) a venda de 136.000 toneladas de milho à Coreia do Sul. A entrega está programada para 2019/20.

* Ontem (12), os contratos de milho com entrega em maio fecharam a US$ 3,65 3/4, com baixa de 8,75 centavos ou 2,33%.

CÂMBIO

* O dólar comercial ampliou as perdas, chegando a cair ao nível de R$ 4,65, mas desacelerou a queda e opera acima de R$ 4,70, exibindo forte oscilação no mercado doméstico, em meio ao viés de recuperação dos ativos globais com os estímulos anunciados pelos bancos centrais dos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), e da China.

INDICADORES FINANCEIROS

* Bolsas da Ásia fecharam em baixa. Xangai, -1,23%; Tóquio, -6,02%.

* As bolsas na Europa avançam. Paris, +5,63%; Frankfurt, +4,71%; e Londres, +4,97%.

* O petróleo opera em alta. Abril do WTI em NY: US$ 32,83 o barril (+4,22%).

* O Dollar Index registra ganho de 0,63%. a 98,09 pontos.

MERCADO

* O mercado brasileiro de milho apresentou preços firmes mais uma vez nesta quinta-feira. A oferta segue restrita, com as altas do dólar e a preocupação com o clima seco para a safrinha em estados como o Paraná e Mato Grosso do Sul levando os produtores a esperar por cotações mais elevadas.

* No Porto de Santos, o preço ficou entre R$ 44,00 e R$ 54,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço entre R$ 43,50 e R$ 53,00 a saca.

* No Paraná, a cotação ficou em R$ 50,00/51,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 56,50/57,50 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 59,50/60,50 a saca.

* No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 49,50/51,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 53,00/54,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 49,00 – R$ 50,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 45,00/46,00 a saca em Rondonópolis.

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

– Dados de colheita da soja no Brasil – SAFRAS & Mercado, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA