Governo injetará R$ 140 bilhões na economia para combater coronavírus

472

    Porto Alegre, 16 de março de 2020 – O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou novas medidas para conter o impacto na economia brasileira do novo Coronavírus. Segundo o ministro, o ambiente se torna conturbado diante de uma situação como a de pandemia que causa um choque como este.

    “Temos tentado passar a mensagem de serenidade, mas também precisamos do nosso programa emergencial de combate ao coronavírus. O choque é violento e vem em ondas, demora 2,3, 4 meses para conseguir produzir a defesa imunológica que precisamos, até lá teremos que injetar cerca de R$ 140 bilhões para dar o contrachoque”, afirmou Guedes. A notícia parte da Agência CMA.

    A primeira medida anunciada é a antecipação da outra metade do 13 salário para aposentados e pensionistas para maio. No fim da semana passada, o governo já havia anunciado a antecipação da primeira metade do 13. Também foi anunciado o adiamento do recolhimento de FTGTS das empresas por 3 meses e o recolhimento do simples nacional para pequenas e médias empresas, também por 3 meses. As medidas devem dar uma folga de R$ 30 bilhões e R$ 22 bilhões, respectivamente.

    Também foram zeradas as tarifas de importação e a cobrança de IPI para produtos médicos hospitalares como máscaras e álcool em gel. Serão 67 produtos com as tarifas e IPI zerados. “Houve uma procura brutal por estes produtos e o preço aumentou, se você baixar as tarifas de importação e reduzir IPI sobre produtos médicos e hospitalares se começa a produzir aqui também. Congelar os preços não funciona, acaba se criando um mercado paralelo”, declarou.

    Por fim o ministro afirmou que o governo está concentrando a contenção nos próximos 3 meses e que podem ser tomadas novas medidas a cada 48 horas, “vai depender da resposta da nossa economia”.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA