Estiagem no RS reduz previsão de safra de soja do Brasil

688


     Porto Alegre, 27 de março de 2020 – Devido à estiagem no Rio Grande do Sul, a safra brasileira de soja deverá ficar abaixo do esperado inicialmente. Mas a perdas não será acentuada, compensada em parte pelo bom rendimento obtido em outros estados.

     A produção brasileira de soja em 2019/20 deverá totalizar 124,188 milhões de toneladas, com elevação de 4,1% sobre a safra da temporada anterior, que ficou em 119,306 milhões de toneladas. A revisão foi divulgada por SAFRAS & Mercado. No dia 7 de fevereiro, data do relatório anterior, a projeção era de 124,554 milhões de toneladas.

     Com a colheita se aproximando de 70%, SAFRAS indica aumento de 2% na área, que ficou em 37,112 milhões de hectares. Em 2018/19, o plantio ocupou 36,384 milhões de hectares. O levantamento indica que a produtividade média deverá passar de 3.296 quilos por hectare para 3.363 quilos.

     Foram feitos ajustes importantes nas estimativas de produtividades médias dos principais estados produtores do país. “O avanço da colheita em todo o país trouxe um panorama mais claro do verdadeiro potencial produtivo da safra brasileira nesta temporada”, explica o analista de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Roque.

     No Rio Grande do Sul, a falta de umidade registrada no primeiro trimestre do ano culminou em uma das maiores perdas produtivas dos últimos anos. A maior parte das lavouras gaúchas não recebeu umidade suficiente em momentos importantes do desenvolvimento, o que derrubou o potencial produtivo das plantas do Noroeste ao Sul do estado. “Salvo exceções, apenas a região Norte do estado registrou produtividades satisfatórias. Infelizmente, a safra gaúcha sofreu um grande revés em 2020”, lamenta.

     Apesar disso, os demais estados da região Sul, assim com os estados das regiões Sudeste e Centro-Oeste registram grandes produtividades médias, superando as expectativas iniciais.

     Surpreendem as elevações nas produtividades médias estimadas para o Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo. “Tais elevações devem compensar boa parte das perdas esperadas para o Rio Grande do Sul, garantindo a colheita de uma nova safra recorde no Brasil”, conclui o analista.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA