Estudo destaca Brasil em qualidade e segurança de alimentos – EIU/Corteva

553


     São Paulo, 13 de abril de 2020 — A Corteva Agriscience patrocina a mais recente edição do Índice Global de Segurança Alimentar (Global Food Security Index – GFSI, em inglês), que examina o estado dos sistemas alimentares de 113 países, incluindo o Brasil. O estudo foi desenvolvido pelo Economist Intelligence Unit (EIU) e apresenta uma análise sobre como as regiões estão em relação à segurança alimentar considerando três categorias: Acesso, Disponibilidade e Qualidade & Segurança dos alimentos. O estudo também considera um quarto fator, classificado pela equipe do EIU como Fator de Risco e que avalia a resiliência dos países em relação às mudanças climáticas e disponibilidade de recursos naturais.

     A segurança alimentar é definida como o estado em que as pessoas têm acesso físico, social e econômico a alimentos suficientes e nutritivos que atendam às suas necessidades alimentares para uma vida saudável e ativa. Essa definição é internacionalmente aceita e foi estabelecida na Cúpula Mundial da Alimentação de 1996.

     Entre os países da região da América do Sul e Central, o Brasil é o quarto colocado no ranking, empatado com a Costa Rica. No índice geral, com os 113 países de cinco continentes, o país ocupa a trigésima nona posição.

     O Brasil se destaca em Qualidade & Segurança Alimentar, ocupando a primeira posição na região, resultado da melhoria na qualidade da produção local e atualização das diretrizes e estratégias nutricionais. Entre os critérios avaliados nesta categoria, o Brasil obteve nota máxima (escala de 0 a 100) nos quesitos: Presença e qualidade de programas de rede de segurança alimentar, Acesso a financiamento para agricultores e Padrões nutricionais. Mesmo diante dos desafios que o Brasil enfrenta com questões de financiamento agrícola, o país ocupa uma posição de destaque quando comparado com os demais países da América do Sul e Central.

     Clima

     O relatório também revelou que a América do Sul e Central está exposta a riscos climáticos, como aumento de temperatura e severidade das tempestades, que podem comprometer a segurança alimentar em toda a região, principalmente nos países insulares da América Central e do Caribe. Essa ameaça é ainda maior pelo progresso limitado da região no desenvolvimento de medidas de alerta precoce ou no investimento em práticas agrícolas inteligentes em termos climáticos.

     Acesso e disponibilidade 

     Apesar dos programas de segurança alimentar estabelecidos em toda a região, o acesso aos alimentos está ameaçado pelo aumento dos preços entre os países pesquisados da América do Sul e Central. Infraestrutura rodoviária também é um problema, dificultando o transporte eficiente de alimentos, particularmente nas áreas rurais. Ao investir na qualidade das estradas, os países podem melhorar as cadeias de suprimento e garantir disponibilidade de alimentos de forma consistente.  

Copyright 2020 – Grupo CMA