Foco do mercado brasileiro de soja segue no câmbio

112

     Porto Alegre, 24 de abril de 2020 – O câmbio deverá continuar sendo o foco das atenções dos negociadores de soja nesta sexta no mercado brasileiro. Em meio às tensões políticas, o dólar já sobe mais de 1% e deve sustentar as cotações domésticas. Apesar da queda de Chicago, a movimentação deve ganhar força novamente, podendo repetir os bons volumes trocados de mãos nos últimos dois dias.

CHICAGO

* Os contratos com vencimento em julho recuam 0,26% e estão cotados a US$ 8,44 3/4 por bushel.

* Mesmo com sinais de demanda aquecida, o mercado não sustentou os ganhos iniciais e tem leve baixa, temendo os efeitos do coronavírus sobre a economia.

PREMIOS

* O prêmio em Paranaguá para maio ficou em 55 a 70 pontos acima de Chicago. Para junho, o valor é de 56 a 70 pontos acima.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra alta de 1,05% a R$ 5,481.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia fecharam em baixa. Xangai, -1,06%; e Tóquio, -0,86%.

* As principais bolsas na Europa operam em baixa. Paris, -0,65%; Frankfurt, -0,74%; Londres, -0,66%.

* O petróleo opera com ganhos. Junho do WTI em NY: US$ 17,10 o barril (+3,57%).

* O Dollar Index registra baixa de 0,11%, a 100,33 pontos.

MERCADO INTERNO

* Com o dólar comercial renovando as máximas históricas e quebrando a casa de R$ 5,52, o mercado brasileiro de soja teve mais um dia de forte movimentação e de sustentação das cotações. Em boa parte do dia, esse movimento teve ainda o auxílio de Chicago, que chegou a operar com alta de 1%, cedendo na parte final do dia.

* Consultas feitas por SAFRAS junto às principais praças de comercialização do país indicam que ao menos 500 mil toneladas trocaram de mão hoje. Ontem os negócios já tinham acelerado, ficando em torno de 300 mil toneladas.

* Os destaques em termos de negócios foram os principais estados produtores: Paraná, com 200 mil toneladas, Mato Grosso e Rio Grande do Sul, com 100 mil toneladas em cada uma das unidades.

* Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 98,50 para R$ 100,00. Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 98,00 para R$ 99,50. No porto de Rio Grande, o preço pulou de R$ 104,00 para R$ 105,00.

* Em Cascavel, no Paraná, o preço passou de R$ 95,00 para R$ 97,00 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca aumentou de R$ 103,00 para R$ 104,50.

* Em Rondonópolis (MT), a saca subiu de R$ 92,00 para R$ 94,00. Em Dourados (MS), a cotação avançou de R$ 85,00 para R$ 87,00. Em Rio Verde (GO), a saca passou de R$ 90,00 para R$ 90,50.

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

– Dados de colheita da soja no Brasil – SAFRAS & Mercado, na parte da tarde.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA