NY renova mínimas para o açúcar com tensão política no Brasil, câmbio e petróleo

435


      Porto Alegre, 27 de abril de 2020 – A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações acentuadamente mais baixas.

     Os primeiros contratos renovaram mínimas históricas, com maio batendo em 9,17 centavos de dólar por libra nas intradiárias, e julho encostando em 9,34 centavos, pressionados pela tensão política no Brasil, além das turbulências no mercado de câmbio e no petróleo.

     No Brasil, maior exportador mundial de açúcar, a demissão do ministro da Justiça, que entrou em choque com a Presidência da República, fez o dólar disparar para R$ 5,73 e levantou dúvidas sobre como o país vai lidar com a pandemia de coronavírus daqui em diante.

     Enquanto o dólar cada vez mais forte estimula as exportações do Brasil, o colapso do petróleo deixa o etanol menos competitivo e obriga as usinas do Brasil e outras origens a maximizar a produção de açúcar.  Com isso, o mercado global deverá voltar a ter superávit de oferta após o déficit indicado para 2019/20.

     Os contratos com entrega em maio/2020 encerraram o dia a 9,21 centavos de dólar por libra-peso, queda de 0,52 centavo (-5,34%) em relação ao fechamento anterior. Julho fechou a 9,38 centavos (-4,4%).

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA