Distanciamento social derrubou preços do boi gordo em abril

177

     Porto Alegre, 30 de abril de 2020 – O mercado físico de boi gordo teve um mês marcado por severa queda nos preços, com reflexos no atacado. “O corte traseiro foi o que mais sofreu em abril diante da desaceleração do consumo, uma consequência direta do confinamento decretado por diversas prefeituras”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

     O fechamento de restaurantes, bares, redes hoteleiras e outros estabelecimentos, uma medida de contenção para o novo coronavírus, afetou a demanda para os cortes considerados top de linha, com a população em geral dando preferência aos embutidos, congelados e, principalmente, à carne de frango e ovos, que têm preços mais acessíveis.

     Segundo ele, um alento para os pecuaristas e, principalmente, frigoríficos, ao longo de abril, foi a manutenção de um ótimo nível de exportação para a China, fator que evitou quedas ainda mais consistentes tanto no preço da matéria-prima como no atacado.

    “A expectativa não é boa para o mês de maio, apesar de um dos pontos altos de consumo de carnes do ano se concentrar no Dia das Mães, uma vez que o distanciamento social permanecerá em vigor”, assinalou Iglesias

    Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade à prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 29 de abril:

* São Paulo (Capital) – R$ 192,00 a arroba, contra R$ 202,00 a arroba em 31 de março, caindo 4,95%.

* Goiás (Goiânia) – R$ 175,00 a arroba, ante R$ 190,00 a arroba (-7,9%).

* Minas Gerais (Uberaba) – R$ 184,00 a arroba, contra R$ 197,00 a arroba (-6,6%).

* Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 175,00 a arroba, ante R$ 192,00 a arroba (-8,85%).

* Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 174,00 a arroba, ante R$ 180,00 a arroba (-3,33%).

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) /     Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA