China vai liderar importação de produtos agrícolas do Brasil na próxima década

424

     Porto Alegre, 19 de maio de 2020 – Pequim realizou a sétima edição de sua conferência sobre as perspectivas agrícolas para o país, projetando suas necessidades para os próximos dez anos. O encontro, transmitido ao vivo neste ano também por canais digitais devido à pandemia de coronavírus, produziu o relatório China Agricultural Outlook 2020-2029, que mantém o país asiático como o maior importador de alimentos do mundo ao longo da próxima década.

     Ao longo dos próximos dez anos, a China se manterá como grande importador de grãos, com destaque para soja, milho, trigo e arroz, além de açúcar e os produtos de origem animal, como carne bovina, suína e de frango. Outros produtos como frutas, ovos, lácteos e pescados também poderão gerar oportunidades para o agronegócio brasileiro.

     “Elaboramos para nossos associados um sumário executivo sobre o relatório final do governo chinês. Nele detalhamos ponto a ponto a demanda de cada um dos produtos agrícolas e apresentamos um cenário de como o Brasil pode aproveitar as oportunidades que já são ou ainda serão geradas para o agronegócio nacional”, afirma José Mario Antunes, diretor do escritório da InvestSP em Xangai.

     A China tem no Brasil seu principal fornecedor de soja. Das 88,6 milhões de toneladas importadas em 2019, cerca de 65% foram provenientes do Brasil. Para a próxima década, os chineses se manterão como os maiores importadores de soja do mundo, com uma taxa média anual de crescimento próxima a 1%, podendo se aproximar das 100 milhões de toneladas importadas em 2029. Se confirmado, o volume representaria um incremento próximo a 13% nas compras chinesas de soja.

     No caso do milho, o Brasil ainda não aparece como fornecedor relevante. Pequim tem buscado garantir seu abastecimento na Ucrânia. Contudo, diante do aumento significativo da produção brasileira e dos atuais patamares da taxa de câmbio, o produto nacional talvez passe a ser mais competitivo no mercado chinês.

     Para as importações de carne suína e de frango, existem dois cenários distintos, sendo um de curto e outro de longo prazo. Em 2020, a China dele elevar em mais de 30% suas importações de suínos e alcançar 2,8 milhões de toneladas, ainda como reflexo da crise da peste suína africana que atingiu o país a partir de 2018. Contudo, segundo o relatório, a China tende a recuperar ao longo da próxima década sua produção doméstica, reduzindo assim a necessidade de importações. Diante desse cenário, a perspectiva é que as importações de suínos fiquem em 1,95 milhões de toneladas em 2029, o que representaria uma retração de 30,3% em comparação às necessidades de compras externas deste ano.

     Na mesma linha dos suínos, o cenário é semelhante para a carne de frango. No ano passado as importações da China chegaram 779 mil toneladas, um crescimento de 55% em comparação a 2018. Para 2020, a perspectiva é que as compras alcancem 860 mil toneladas, o que representará um incremento de 10,4% sobre 2019. Diante do crescimento da produção doméstica, que tem ocorrido ao longo dos últimos dez anos, a expectativa é que a necessidade chinesa por importações de carne de frango se reduza e fique em 590 mil toneladas em 2029, cerca de 30% a menos que será importado neste ano.

     “Vale lembrar que a China não é um mercado simples. O relacionamento próximo com os importadores e também com o governo é um fator determinante para o sucesso das empresas que queiram entrar nesse mercado ou mesmo ampliar sua presença.”, afirma Antunes. As informações partem da assessoria de imprensa do InvestSP.

     Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA