Com colheita no foco, mercado de café deve seguir restrito no Brasil

316

     Porto Alegre, 21 de maio de 2020 – O mercado brasileiro de café deve ter um dia negócios pontuais, envolvendo cafés de menor qualidade. A queda de Nova York e o dólar perto da estabilidade restringem a movimentação e pressionam as cotações. Colheita segue no foco das atenções.

COLHEITA

* A colheita de café da safra brasileira 2020/21 está em 13% até o dia 19 de maio. O número faz parte do levantamento semanal de SAFRAS & Mercado para a evolução da colheita da safra. Na semana anterior, o índice era de 9%.

* Tomando por base a estimativa de SAFRAS para a produção de café do Brasil em 2020/21 de 68,1 milhões de sacas de 60 quilos, é apontado que foram colhidas 9,17 milhões de sacas até o dia 19.

* A colheita está atrasada em relação ao ano passado, quando 16% da safra

estava colhida neste período. Os trabalhos também estão atrasados frente à média dos últimos 5 anos, que é de 15%.

NOVA YORK

* Os contratos com entrega em julho registram desvalorização de 0,18% na Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE), cotados a 105,45 centavos de dólar por libra-peso.

* A posição julho fechou a quarta-feira a 105,65 centavos de dólar por libra-peso, com baixa de 1,40 centavo, ou de 1,3%.

ADIDOS USDA

* A produção de café total do México em 2020/21 (outubro/setembro) deverá chegar a 3,9 milhões de sacas, contra 3,7 milhões de sacas em 2019/20. A estimativa é do adido do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

* A produção de arábica em 2021/21 no México é colocada em 3,3 milhões de sacas, contra 3,15 milhões de sacas em 2019/20. A safra 2020/21 do robusta é estimada em 600 mil sacas, contra 550 mil sacas em 2019/20.

* Para o adido do USDA, o consumo total no país em 2020/21 deverá ficar em 2,7 milhões de sacas, contra 2,6 milhões de sacas em 2019/20. As exportações totais do país deverão alcançar 3,030 milhões de sacas em 2020/21, contra 2,97 milhões de sacas em 2019/20. Os estoques finais de café da temporada 2020/21 no México estão projetados em 145 mil sacas, contra 40 mil sacas em 2019/20.

* Já produção de café total na India em 2020/21 (outubro/setembro) deverá chegar a 5,31 milhões de sacas de 60 quilos, segundo o adido do USDA, com incremento de 8,6% no comparativo com a safra 2019/20, apontada em 4,89 milhões de sacas.

* O adido revisou para baixo a estimativa oficial do USDA para 2019/20, que era de 5,16 milhões de sacas.

* A safra do robusta 2020/21 deverá ser de 3,75 milhões de sacas em 2020/21, contra 3,56 milhões de sacas em 2019/20. Já a produção do arábica é indicada em 1,56 milhão de sacas para 2020/21, contra 1,33 milhão de sacas em 2019/20.

* Para o adido do USDA, as exportações do país em 2020/21 deverão ficar em 5,256 milhões de sacas, no comparativo com 5,475 milhões de sacas de 2019/20. Já o consumo está indicado para 2020/21 em 1,15 milhão de sacas, contra 1,18 milhão de sacas em 2019/20. Os estoques finais de café da temporada 2020/21 estão projetados em 599 mil sacas, no comparativo com 473 mil sacas em 2019/20.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra alta de 0,07% a R$ 5,687.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia fecharam em baixa. Xangai, -0,55%. Tóquio, -0,21%.

* As principais bolsas na Europa operam em baixa. Paris, -0,67%; Frankfurt, -1,08%; Londres, -0,55%.

* O petróleo opera com ganhos. Julho do WTI em NY: US$ 34,15 o barril (+1,97%).

* O Dollar Index registra alta de 0,01%, a 99,13 pontos.

MERCADO

* O mercado físico brasileiro de café apresentou preços mais baixos nesta quarta-feira. As cotações recuaram seguindo a desvalorização do arábica na Bolsa de Nova York e a baixa do dólar.

* Apesar das cotações mais baixas, o dia foi movimentado na comercialização, saindo mais negócios com cafés médios a fracos e também cafés safra nova.

* No sul de Minas Gerais, o café arábica bebida boa ficou em R$ 585,00/590,00 a saca, contra R$ 590,00/600,00 de ontem. No cerrado mineiro, preço de R$ 595,00/600,00, no comparativo com R$ 600,00/605,00 do dia anterior.

* Já o café arábica “rio” tipo 7 na Zona da Mata de Minas Gerais, com 20% de catação, teve preço de R$ 400,00/405,00, contra R$ 405,00/410,00 de ontem. O conilon tipo 7 em Vitória, Espírito Santo, teve preço de R$ 350,00/355,00

a saca, inalterado.

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos

Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

– Relatório mensal sobre as lavouras da Argentina – Minagri, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (22/05)

– Japão: O índice de preços ao consumidor de abril será publicado às na noite pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicação.

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA