Milho teve maio de atenções para câmbio e clima para safrinha

189

     Porto Alegre, 29 de maio de 2020 – O mercado brasileiro de milho teve um mês de maio de altos e baixos nos preços. As atenções estiveram voltadas para o clima para a safrinha e para a volatilidade no câmbio, com o dólar afetando as referências para as exportações, valores do cereal nos portos, mexendo também com a dinâmica do mercado físico.

     De acordo com as informações que foram chegando quanto às condições climáticas e com as oscilações do dólar o mercado teve momentos de maior ou menos intenção de venda do produtor. Em parte do mês, o produtor retraiu-se e garantiu sustentação às cotações, com maior dificuldade para os compradores obterem a oferta. Mas, agora mais para o final de maio as cotações passaram a ceder com a disponibilidade crescente de milho.

     No clima, maio ainda foi de preocupação com a falta de chuvas em importantes regiões produtoras e com a chegada das primeiras massas de ar polar, trazendo o risco e temor das geadas. Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, o mercado brasileiro de milho dispõe de mais algumas semanas para avaliar estas condições da safrinha 2020. “Algumas fontes procuram impor uma condição menos preocupante para uma produção que já dispõe de perdas claras e evidentes devido à seca de sessenta dias no Paraná, Mato Grosso do Sul, Paraguai e São Paulo”, comenta. Ele indica que as chuvas de maio apenas amenizaram um aumento dos prejuízos mais acentuados de produção. “Contudo, eles já existem e são irreversíveis. Há o risco de geadas, com três possibilidades até 15 de junho nestas localidades”, avalia.

     Molinari indica que a safrinha brasileira tem ainda algumas semanas para a sua plena definição. Contudo, já é uma produção para 68/70 milhões de toneladas que terá a sua avaliação final apenas com a colheita. As exportações, assim, terão fundamental importância no segundo semestre para a definição de preços no Brasil, o que pode garantir um melhor escoamento da oferta e cotações mais altas ao produtor.

     Para o consultor, independente de um número um pouco maior ou um pouco menor, o mercado brasileiro caminha para uma direção, ou seja, a exportação. “Neste ambiente, há muitas variáveis presentes, ou seja, a questão da liquidez, das perdas de produção, da demanda regional, da postura dos compradores em relação à colheita, da postura dos produtores em aceitar preços mais baixos nestes próximos noventa dias, etc. O ponto central é uma exportação de 30 milhões de toneladas, número que determina um ponto de estoques de passagem para 2021 e poderá definir, também as condições de mercado para o próximo ano”, analisa.

     Quando o dólar esteve mais alto em maio e as preocupações foram mais fortes com o clima, a oferta de milho foi reduzida e os preços subiram nos portos e no interior. Porém, o dólar perdeu força depois de atingir o pico de R$ 5,82 em meados do mês e passou a descer, o que pressionou depois as cotações do milho nos portos. Essas primeiras massas de ar polar também não trouxeram maiores problemas, o que foi outro elemento a aumentar a oferta e pressionar as cotações nestas últimas semanas do mês.

     No balanço de maio, o preço do milho em Campinas/CIF subiu de R$ 51,00 do dia 30 de abril para R$ 52,00 a saca de 60 quilos na base de venda nesta quinta-feira (28 de maio). Na região Mogiana paulista, as cotações se mantiveram no mesmo comparativo em R$ 50,00 a saca.

     Em Cascavel, no Paraná, no comparativo mensal, o preço passou de R$ 46,50 para R$ 47,00 a saca na base de venda. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação despencou, passando de R$ 43,00 para R$ 36,00 a saca. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve alta de R$ 48,00 para R$ 49,50.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 / Grupo CMA