Algodão brasileiro ganha competitividade em relação ao americano

419

     Porto Alegre, 17 de junho de 2020 – A combinação de alta em Nova York e no câmbio fez com que o produto brasileiro voltasse a ganhar competitividade em relação ao norte-americano. “Esse afastamento, para baixo, do algodão nacional em relação ao dos Estados Unidos já tem sido visto com cautela por parte dos investidores que possuem contrato na Ice Futures (Bolsa de Nova York). A percepção é de que, depois de controlada a pandemia do Covid-19 e com o retorno das atividades de logísticas dentro da normalidade, os compradores internacionais possam se voltar para a origem sul-americana (com preços mais atrativos)”, avalia o consultor de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento.

     Assim, indica o consultor, mesmo tendo uma oferta recorde no Brasil e uma demanda enfraquecida, a tendência é que o mercado volte a buscar uma proximidade da paridade de exportação. Nesta quarta-feira, a indicação média no CIF do polo industrial paulista ficou em R$ 2,71/libra-peso, o que corresponde a uma queda de 0,09% em relação ao dia anterior. Comparado ao mesmo momento do mês passado acumula alta e de 2,82%. No FOB exportação do porto de Santos/SP a indicação ficou em 51,81 cents de dólar por libra-peso (c/lb). Comparado ao mesmo período do mês passado a alta no porto brasileiro é de 9,0%. Em relação ao contrato spot da pluma negociado na Bolsa de Nova York o produto brasileiro está 15,5% mais acessível. Há uma semana era 9,8% mais acessível.

NY

     A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços mais altos nesta quarta-feira.

     O mercado reagiu diante de um dia mais positivo em relação à economia global, com suporte na esperança da retomada econômica mundial. Além disso, notícias positivas quanto à relação comercial entre Estados Unidos e China contribuíram para os avanços no dia. As informações partem de agências de notícias.

     Os contratos com entrega em julho/2020 fecharam no dia a 61,34 centavos de dólar por libra-peso, alta de 1,27 centavo, ou de 2,1%. Dezembro fechou a 60,00 centavos, com valorização de 0,92 centavo, ou de 1,5%.

CÂMBIO

     O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,36%, sendo negociado a R$ 5,2580 para venda e a R$ 5,2560 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1840 e a máxima de R$ 5,2720.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) – Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA