Cenário de oferta restrita continua puxando preços do boi gordo

380

    Porto Alegre, 25 de junho de 2020 – Os preços do boi gordo voltaram a subir em algumas regiões de produção e comercialização nesta quinta-feira. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o cenário fundamental permanece construtivo para o pecuarista, com um cenário de oferta de animais terminados restrita neste período de transição entre safra e entressafra.

     A demanda chinesa permanece muito efetiva e, até o momento, não há novas repercussões em torno da suspensão de frigoríficos pela presença do novo Coronavírus no chão de fábricas. “Aparentemente a suspensão voluntária que ocorreu em Rondonópolis (MT) trata-se de um caso isolado”, assinalou Iglesias.

    Os principais frigoríficos brasileiros assinaram um termo garantindo que não há contaminação entre funcionários no chão de fábrica. Além disso, as normativas acertadas junto aos ministérios da Agricultura, Economia e Saúde têm sido rigorosamente cumpridas, disse Iglesias.

    Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 214,00 por arroba, estáveis. Em Uberaba, Minas Gerais, os preços ficaram em R$ 209,00 a arroba, ante R$ 208,00 a arroba. Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os preços ficaram em R$ 205,00 a arroba, ante R$ 204,00 a arroba. Em Goiânia, Goiás, o preço indicado foi de R$ 208,00 a arroba, inalterado. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço ficou em R$ 187,00 a arroba, estáveis.

     Atacado

     No mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem firmes. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios ainda aponta para reajustes no curto prazo, com boas expectativas para a primeira quinzena de julho, quando o consumidor médio estará capitalizado. “Ao mesmo tempo, o relaxamento da quarentena em São Paulo — principal centro consumidor de carne bovina do país — aumenta o otimismo. No entanto, é fato conhecido de que os níveis de demanda não voltarão aos patamares pré-crise”, apontou.

       A ponta de agulha ficou em R$ 11,85 o quilo. O corte dianteiro permaneceu em R$ 12,55 o quilo, e o corte traseiro continuou em R$ 13,75 o quilo.

     Câmbio

    O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 0,18%, sendo negociado a R$ 5,3300 para venda e a R$ 5,3280 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,2690 e a máxima de R$ 5,3880.

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) – Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA