Preços do açúcar sobem no cenário doméstico, seguindo NY

388

    Porto Alegre, 29 de junho de 2020 – O mercado físico de açúcar teve preços mais altos nesta segunda-feira, refletindo um dia de alta nas cotações internacionais do petróleo e nas bolsas de futuros.

    Em Santos (SP), a saca de 50 quilos do açúcar cristal com até 150 Icumsa ficou com preço de R$ 76,00 (12,71 centavos de dólar por libra-peso), alta de 1,33%. Em Ribeirão Preto, preços também a R$ 76,00 a saca, mas subindo 2,7%.

     O etanol hidratado foi 18,50% menos vantajoso que o açúcar bruto de Nova York equivalendo a 8,50 centavos de dólar (PVU) e 16,51% menos vantajoso que o açúcar cristal de Ribeirão Preto, equivalendo a R$ 62,62 por saca (10,47 centavos).

     Apesar da valorização do petróleo, o temor com uma segunda onda de contágio da Covid-19 tem segurado as cotações do barril do tipo brent abaixo da linha de 42 dólares, um fator que pode inibir uma maior migração das usinas do centro-sul do Brasil em direção ao etanol, mantendo ampla a oferta de açúcar, conforme dados da consultoria SAFRAS & Mercado

Nova York

    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações mais altas.

     O mercado adotou uma postura de consolidação durante a maior parte do pregão após as perdas da semana passada, quando caiu quase 5% no acumulado, mas firmou alta no final do dia seguindo o direcionamento do petróleo, além de correção técnica.

    Na última semana, as cotações foram pressionadas pelo crescimento previsto das safras nas principais origens e sinalização de queda na demanda global de açúcar por conta da pandemia do novo coronavírus.

     No entanto, Nova York caminha para fechar o trimestre com ganhos de cerca de 10%, impulsionada pela recuperação nos preços internacionais do petróleo.

     Os contratos com entrega em julho/2020 encerraram o dia a 11,71 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,16 centavo (+1,4%) em relação ao fechamento anterior. Outubro fechou com cotação de 11,77 centavos, com alta de 0,15 centavo (+1,3%).

Câmbio

    O dólar comercial encerrou a sessão em baixa de 0,75%, sendo negociado a R$ 5,4240 para venda e a R$ 5,4220 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,3950 e a máxima de R$ 5,4730.

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) – Agência SAFRAS Copyright 2020 – Grupo CMA