Preços do milho em Chicago fecham em forte alta após USDA cortar área nos EUA

438

Porto Alegre, 30 de junho de 2020 – A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços acentuadamente mais altos. O mercado disparou após a divulgação do relatório de plantio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que estimou números inferiores ao esperado.

Em junho, a posição setembro subiu 3,48%. No trimestre, os contratos acumularam queda de 0,66%. No semestre, os preços caíram 12,7%.

A área plantada com milho nos Estados Unidos em 2020 deverá totalizar 92 milhões de acres. Se confirmada, a área ficará 3% acima do total cultivado no ano passado. O número ficou abaixo da expectativa do mercado, que era de 95,2 milhões de acres. O número também veio abaixo da área indicada no relatório de intenção de plantio, divulgado em março, que era de 97 milhões de acres. Na comparação com o ano passado, a área cresceu ou ficou inalterado em 28 dos 48 estados produtores.

Os estoques trimestrais de milho dos Estados Unidos, na posição 1o de junho, totalizaram 5,22 bilhões de bushels. O volume estocado subiu 1% na comparação com igual período de 2019. O número ficou acima da expectativa do mercado, de 4,99 bilhões de bushels. Do total, 3,03 bilhões de bushels estão armazenados com os produtores, com ganho de 3%. Os estoques fora das fazendas somam 2,2 bilhão de bushels, com baixa de 2%.

Os contratos de milho com entrega em setembro fecharam a US$ 3,41 1/4, com alta de 12,75 centavos, ou 3,87%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro fechou a sessão a US$ 3,50 1/2 por bushel, ganho de 15,75 centavos de dólar, ou 4,7%, em relação ao fechamento anterior.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA