Julho inicia com preços firmes para soja, mas com poucos negócios

638


     Porto Alegre, 10 de julho de 2020 O mercado brasileiro de soja iniciou julho com poucos negócios e preços firmes na maior parte das praças. Apesar das cotações elevadas, a comercialização segue prejudicada pela falta de produto.

     Os vendedores aproveitaram os bons patamares praticados recentemente, principalmente em maio, para negociar tanto no disponível como no mercado futuro. Os índices de comercialização seguem bem acima da média para o período.

     Devido a esse comportamento, a disponibilidade da oleaginosa é escassa e os produtores elevam suas pedidas para fechar as operações, aguardando por cotações ainda melhores.

     Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos está cotada em R$ 114,50. Na região das Missões, a cotação ficou em R$ 114,00. No porto de Rio Grande, o preço seguiu em R$ 118,00.

     Em Cascavel, no Paraná, o preço é de R$ 109,50 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca ficou em R$ 115,50. Em Rondonópolis (MT), a saca avançou para R$ 109,50. Em Dourados (MS), a cotação permaneceu em R$ 110,00. Em Rio Verde (GO), a saca estabilizou em R$ 106,00.

     Na Bolsa de Chicago, os contratos se fixaram na casa de US$ 9,00 por bushel. O processo de alta iniciou com o relatório de área plantada do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que indicou plantio abaixo do esperado.

     Nesta semana, as preocupações com o clima no cinturão produtor ganharam força. Os boletins apontam clima seco e temperaturas elevadas nas próximas duas semanas, o que poderia prejudicar o potencial produtivo. A necessidade de chuvas aumenta a cada dia em importantes estados, como Illinois, Indiana e Ohio.

     Conab

     A produção brasileira de soja deverá totalizar 120,883 milhões de toneladas na temporada 2019/20, com aumento de 5,1% na comparação com a temporada anterior, quando foram colhidas 115,03 milhões de toneladas. A projeção faz parte do décimo levantamento de acompanhamento da safra brasileira de grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

     Na comparação com a estimativa anterior, houve uma elevação de 0,4%. A Conab indicava em maio safra de 120,424 milhões de toneladas. A Conab trabalha com uma área de 36,944 milhões de hectares, com elevação de 3% sobre o ano anterior, quando foram cultivados 35,874 milhões de hectares. A produtividade teve sua previsão elevada de 3.206 quilos para 3.272 quilos por hectare.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA