Milho registra preços fracos, mas ainda com pressão limitada da safrinha

234

     Porto Alegre, 17 de julho de 2020 – O mercado brasileiro de milho teve uma semana calma na comercialização, apresentando preços de estáveis a mais baixos. Ainda não há uma pressão mais forte da colheita da safrinha, que aos poucos vai evoluindo. A volatilidade no câmbio vem dificultando a precificação nos portos e no mercado interno.

     As bruscas altas e baixas do dólar trouxeram complicações para o andamento dos negócios, sobretudo nos portos. “A volatilidade cambial produziu dificuldades diárias em relação às indicações nos portos, com o câmbio chegando a alcançar a máxima de R$ 5,39 por dólar, retornando a mínima de R$ 5,31”, comentou o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, descrevendo como foi esta quinta-feira (16), um retrato de toda a semana.

     A colheita da safrinha 2020 de milho atingia 31,7% da área estimada de 13,4 milhões de hectares na sexta-feira (10), segundo levantamento de SAFRAS & Mercado. Os trabalhos atingem 14,3% no Paraná, 4,5% em São Paulo, 22,3% em Mato Grosso do Sul, 14,7% em Goiás, 54,5% em Mato Grosso e 0,5% em Minas Gerais.

     No mesmo período do ano passado, a colheita atingia 47,9% da área estimada de 12,258 milhões de hectares. A média de colheita dos últimos cinco anos para o período é de 30%.

     Por enquanto, o mercado ainda não sentiu um maior efeito de aumento da oferta com a entrada da safrinha, o que pode ocorrer nas próximas semanas. “Outro aspecto que precisa ser considerado é que o milho recém colhido é utilizado para cumprir os contratos já acordados”, descreve Iglesias.

     No balanço semanal as cotações recuaram um pouco em boa parte das regiões. No Porto de Santos, na base de compra, o preço recuou no comparativo do dia 09 para o dia 16 de julho (quinta-feira), de R$ 52,00 para R$ 49,00 a saca de 60 quilos. Já no Porto de Paranaguá, no mesmo período, a cotações do milho na compra teve baixa de R$ 51,50 para R$ 48,50 a saca.

     No mercado interno, no Paraná, a cotação em Cascavel no balanço semanal caiu de R$ 47,00 para R$ 46,00 a saca na base de venda. Em São Paulo, preço na Mogiana recuou no comparativo semanal (de 09 para 16 de julho) de R$ 52,00 para R$ 50,00. Em Campinas CIF, a cotação baixou de R$ 53,50 para R$ 51,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, em Erechim, o preço do milho na semana caiu no comparativo de R$ 52,00 para R$ 51,00 a saca. Em Minas Gerais, preço baixando em Uberlândia no balanço semanal em R$ 49,00 para R$ 48,00 a saca na venda. No Mato Grosso, preço no balanço semanal permaneceu estável em R$ 38,00 a saca em Rondonópolis.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA