Queda do dólar pode pressionar cotações do milho no Brasil

291

     Porto Alegre, 22 de julho de 2020 – O mercado brasileiro de milho deve registrar uma quarta-feira de cautela nos negócios, em meio à queda do dólar frente ao real, o que pode pressionar novamente as cotações do cereal, tanto no cenário doméstico quanto nos portos. No cenário internacional a Bolsa de Chicago estende o tom positivo da última sessão.

     O mercado brasileiro de milho teve uma terça-feira de quedas nas cotações, com a comercialização travada. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o mercado travou frente à alteração da paridade cambial. As mudanças nos valores nos portos foram significativas. A queda forte do dólar e na CBOT (Bolsa de Chicago) no decorrer do dia pressionou os preços.

     No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 48,00/51,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 47,50/51,00 a saca.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 44,00/45,50 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 46,00/48,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 49,00/50,50 a saca.

    No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 50,00/51,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 46,00/48,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 40,00 – R$ 42,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 36,00/38,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* A posição setembro opera com alta de 1,25 centavo, ou 0,38%, cotada a US$ 3,24 por bushel.

* O mercado busca suporte na boa demanda chinesa pelo cereal norte-americano, que faz o milho subir seis vezes em sete sessões. De qualquer forma, o aumento da tensão entre a China e os Estados Unidos, após o governo norte-americano ordenar o fechamento do consulado chinês em Houston, deve ser monitorada, pois pode trazer pressão às cotações ao longo da sessão.

* Ontem (21), os contratos de milho com entrega em setembro fecharam a US$ 3,22 3/4, com baixa de 5,50 centavos, ou 1,67%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra baixa de 1,47% a R$ 5,1340.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia fecharam mistas. Xangai, +0,37%. Tóquio, -0,58%.

* As principais bolsas na Europa operam fracas. Paris, -1,12%; Frankfurt, -0,50%; Londres, -0,79%.

* O petróleo opera com perdas. Setembro do WTI em NY: US$ 41,32 o barril (-1,43%).

* O Dollar Index registra baixa de 0,28%, a 94,86 pontos.

AGENDA

– A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 11h30min pelo Departamento de Energia (DoE).

—–Quinta-feira (23/07)

– Japão: O mercado de ações do país permanece fechado em razão de um feriado.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Paraná – Deral, na parte da manhã.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30min.

– Estimativa para a produção global de grãos em 2020/21 – CIG, na parte da manhã.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Relatório mensal sobre as lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, na parte da tarde.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (24/07)

– Japão: O mercado de ações do país permanece fechado em razão de um feriado. 

– O IBGE divulga às 9h os dados sobre o Indice Nacional de Preços ao Consumidor – 15 (IPCA 15) referentes a julho.

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA