Tarpon investe na Agrivalle e entra no segmento de bioinsumos

379

Porto Alegre, 23 de julho de 2020 – A Tarpon adquiriu o controle da Agrivalle, uma das cinco maiores companhias do mercado brasileiro de biológicos. O investimento inicial é de R$ 160 milhões – maior aporte realizado no Brasil no segmento de bioinsumos.

Sediada em Salto (SP), a Agrivalle tem em seu portfólio todas as categorias de Bioinsumos: biofertilizantes, bioestimulantes e controle biológico. Bioinsumos é o nome dado ao uso de elementos naturais da natureza para aumentar a produtividade e combater pragas e doenças. Além de ter um impacto sustentável para o meio ambiente, essa solução também tem se mostrado eficiente no controle de pragas.

De acordo com Marcelo Lima, sócio da Tarpon, o investimento na Agrivalle está em linha com a estratégia de buscar oportunidades em negócios que apresentem soluções inovadoras para os setores de agronegócios e alimentos. “A Agrivalle é um dos players líderes no Brasil, com capilaridade nacional e portfólio robusto em um setor que cresce em ritmo acelerado e vem ganhando market share. É a única empresa com presença em todo o universo de bioinsumos, pesquisa e desenvolvimento (P&D) e registro de produtos. Além do mais, é um negócio com impacto sustentável positivo”, explica.

Estima-se que o biocontrole representará entre 20% e 50% do mercado global de defensivos agrícolas. É um segmento que vem crescendo anualmente 33% nos últimos três anos e espera-se que o mercado multiplique por quatro vezes nos próximos 10 anos.

“Nosso investimento se soma ao Programa Nacional de Bioinsumos, recentemente lançado como um marco na terceira onda da agricultura brasileira, e tem como foco aumentar a capacidade produtiva da empresa, promover o reforço do time e ampliar o acesso ao mercado, bem como os projetos focados em inovação. Estudamos muito o segmento antes da tomada de decisão. E entendemos que há um alinhamento com os sócios da Agrivalle, no que diz respeito a propósitos e valores, bem como uma mentalidade empreendedora e associativa”, completa o executivo.

A Agrivalle tem uma cultura forte, centrada no produtor e com interesse genuíno no sucesso dos clientes, além de uma equipe de gestores com foco em resultados e metas. “Queremos buscar a liderança no Brasil e alcançar uma posição de destaque no mercado mundial”, reforça Lima. A expectativa é alcançar um faturamento de R$ 1 bilhão em cinco anos.

Outro fator que despertou a atenção da Tarpon é o histórico de pioneirismo da Agrivalle. “É uma companhia com sólida estratégia de diferenciação de produto, com foco em P&D. A Agrivalle tem nove dos 32 organismos registrados no Brasil e 10 processos de patente em andamento. Estas inovações serão capazes de impulsionar a produtividade de maneira sustentável, gerando mais eficiência, transparência e rastreabilidade para a cadeia de valor”, ressalta Lima.

Com a aquisição, o papel da Tarpon será o de construir parcerias estratégicas e novos negócios, por intermédio do time que atuará na 10b Gestora de Recursos, nova gestora do ecossistema SK Tarpon em fase de credenciamento junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e à Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

A partir do investimento, serão criados um Conselho de Administração composto por sócios de ambas empresas, e dois comitês (de Negócios e Estratégias, e de Inovação Digital e Gente). O executivo Antonio Maia ocupará a função de CEO da empresa. Uma das novidades é a criação de novas estruturas (Comercial, Planejamento e Gente), além das células de gestão que já existiam (Marketing, Pesquisa e Desenvolvimento, Finanças e Operações).

De acordo com o CEO, Antonio Maia, o foco de crescimento é o mercado brasileiro, mas também há boas oportunidades na América do Sul, nos Estados Unidos e na União Europeia. “Para suportar este desenvolvimento, novos investimentos em capacidade fabril permitirão aumentar em até oito vezes a produção atual. A ideia é investir cerca de 5% do faturamento anual em P&D e ficar atento às oportunidades de crescimento e acesso a novos mercados por meio de aquisições ou parcerias”, destaca Maia.

As informações são da Alfapress.

Revisão: Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA