Mercado suíno aposta em demanda aquecida até metade de agosto

214

     Porto Alegre, 7 de agosto de 2020 – A primeira semana de agosto foi muito positiva para o mercado brasileiro de suínos em termos de demanda e de avanço nos preços. A aposta é de que esse cenário se estenda ao longo da primeira metade de agosto. O analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, sinaliza que há relatos de boa fluidez de negócios ao longo da cadeia e a oferta ajustada de animais garante suporte aos preços. “A entrada da massa salarial, o dia dos Pais, o processo de flexibilização da quarentena e os altos preços da carne bovina são fatores favoráveis no curto prazo ao consumo de carne suína”, sinaliza.

     Maia salienta que os animais permanecem sendo abatidos com pesos leves em grande das praças acompanhadas, o que ajuda no ajuste da disponibilidade da carne. “Além disso, os granjeiros estão em busca de reajustes para o suíno vivo em todo o país por conta do alto custo de produção, que está em tendência de alta acompanhando o preço do milho e do farelo de soja”, afirma.

     Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil avançou 4,75% ao longo da semana, de R$ 5,62 para R$ 5,89. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado passou de R$ 9,63 para R$ 10,01, aumento de 4,01%. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,65, ante os R$ 9,06 praticados na semana passada, com valorização de 6,48%.

     Outro ponto que ajuda a manter o mercado brasileiro com uma oferta enxuta é o forte ritmo de exportações, puxadas pelas compras da China. As exportações de carne suína fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 191,569 milhões em julho (23 dias úteis), com média diária de US$ 8,329 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 90,222 mil toneladas, com média diária de 3,922 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.123,30.

     Na comparação com julho de 2019, houve avanço de 36,12% no valor médio diário exportado, ganho de 46,74% na quantidade média diária e retração de 7,23% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

     A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 123,00 para R$ 136,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,30 para R$ 4,40. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 5,95 para R$ 6,20.

     Em Santa Catarina o preço do quilo na integração teve alta de R$ 4,40 para R$ 4,50. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 6,05 para R$ 6,50. No Paraná o quilo vivo aumentou de R$ 6,00 para R$ 6,10 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo avançou de R$ 4,40 para R$ 4,45.

     No Mato Grosso do Sul a cotação na integração subiu de R$ 4,40 para R$ 4,50, enquanto em Campo Grande o preço avançou de R$ 5,10 para R$ 5,50. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 6,80 para R$ 7,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno passou de R$ 7,00 para R$ 7,40. No mercado independente mineiro, o preço subiu de R$ 7,10 para R$ 7,50. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo na integração do estado aumentou de R$ 4,20 para R$ 4,40. Já em Rondonópolis a cotação passou de R$ 5,20 para R$ 5,60.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA