Exportações e dólar aquecidos mantêm suporte ao algodão doméstico

88

     Porto Alegre, 14 de agosto de 2020 – O mercado brasileiro de algodão vai encerrando a primeira quinzena de agosto com preços aquecidos. O bom ritmo das exportações de pluma do Brasil e a valorização do dólar frente ao real mantêm os preços sustentados no âmbito doméstico, mesmo neste período complicado e de menor demanda no mercado internacional devido ao Covid-19.

     Na média do CIF das indústrias do polo industrial paulista, a pluma fechou o dia 13 de agosto cotada a R$ 2,95 por libra-peso, ante R$ 2,87 por libra-peso no dia 6. Frente à quinta-feira passada, houve alta de 2,79%. Comparado ao mesmo período do mês passado, há elevação de 7,67%. No ano, o avanço é de 21,99%.

     No FOB exportação do porto de Santos/SP, a indicação ficou em 54,39 centavos de dólar por libra-peso (c/lb), com queda de 0,02% em relação à semana anterior. Comparado ao mesmo período do mês passado, apresenta alta de 5,58% e, em relação ao mesmo período do ano passado, retração de 11,71%. Na comparação com contrato de maior liquidez da pluma negociado na Bolsa de Nova York (dez/20), o produto brasileiro está 12,55% mais acessível. Há uma semana, era 15,59% mais acessível.

     As exportações brasileiras de algodão bruto somaram 24,452 mil toneladas até a primeira semana de agosto (5 dias úteis), com média diária de 4,890 mil toneladas. A receita com as vendas ao exterior totalizou US$ 33,268 milhões, com média diária de US$ 6,653 milhões. As informações são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

     Em relação à igual período do ano anterior, houve avanço de 137,56% no volume diário exportado (2,058 mil toneladas diárias em agosto de 2019). Já a receita diária teve acréscimo de 102,78% (US$ 3,281 milhões diários em agosto de 2019).

     Rodrigo Ramos (rodrigo@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA