Fragilidade da demanda faz futuros do petróleo terminarem dia em baixa

86

    Porto Alegre, 21 de agosto de 2020 – Os preços dos contratos futuros de petróleo terminaram a última sessão da semana em queda diante de sinais de que a recuperação da demanda por combustíveis seguirá comprometida pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre as economias globais mesmo com o corte de oferta de grandes produtores.

   Mais cedo, dados mostram que a recuperação econômica da zona do euro de sua pior desaceleração já registrada vacilou neste mês, uma vez que a demanda reprimida desencadeada pelo afrouxamento dos bloqueios em julho diminuiu.

   O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) sobre a atividade industrial da zona do euro caiu para 51,7 pontos em agosto, depois de ter marcado 51,8 pontos em julho, enquanto o PMI da atividade do setor de serviços da região caiu para 50,1 pontos em agosto, de 54,7 pontos em julho, de acordo com dados preliminares do IHS Markit.

   Ao mesmo tempo, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados sinalizaram nesta semana que uma segunda onda estendida da pandemia representa um grande risco para a recuperação do mercado de petróleo.

   Um rascunho de um relatório do grupo conhecido como Opep+ obtido pelo Reuters mostrou que a demanda por petróleo em 2020 cairá em 9,1 milhões de barris por dia (bpd), e em até 11,2 milhões de bpd se houver um ressurgimento prolongado de infecções pelo novo coronavírus na segunda metade do ano.

   De acordo com o analista da FX Empire, Christopher Lewis, o WTI tentou se recuperar durante a semana, mas continuou encontrando vendedores. Ele ressalta, no entanto, que as mínimas estão ficando mais elevadas.

   “Quando olhamos para o gráfico, vemos claramente que o mercado tem subido ligeiramente nos últimos meses, e os traders de longo prazo foram deixados de fora. Acho essa tendência deve continuar até que o mercado receba algum tipo de impulso novo”, afirmou Lewis.

   No caso do Brent, o analista explica que os preços estão encontrando resistência. “No final das contas, o mercado parece que está indo para o nível de US$ 42,50, e se pudermos quebrar abaixo desse nível, o mercado pode ir para o nível de US$ 40, possivelmente até mesmo para o nível de US$ 35. Por outro lado, se conseguirmos ultrapassar as máximas semanais, o mercado pode ir para o nível de US$ 50”, acrescenta.

   Com isso, o preço do contrato do petróleo WTI negociado na Nymex e entrega em setembro caiu 0,56%, cotado a US$ 42,34 o barril, encerrando a semana com ganho de 0,79%. Já o preço do contrato do Brent negociado na plataforma ICE com entrega para outubro recuou 1,22%, cotado a US$ 44,35 o barril, acumulando perda semanal de 1,0%.

     As informações partem da Agência CMA.

Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA