Milho segue reagindo à oferta restrita no Brasil

166

    Porto Alegre, 21 de agosto de 2020 – O mercado brasileiro de milho segue com as cotações muito aquecidas. As cotações voltaram a avançar em todas as praças de comercialização nacionais e nos portos. Mesmo com a chegada da safrinha, a oferta é restrita e controlada pelos vendedores, além do dólar elevado trazer competitividade às exportações e garantir sustentação às cotações nos portos e no interior.

     O milho vai sendo disputado pelos exportadores e para o consumo interno. Com o dólar elevado, primeiro há o suporte às cotações nos portos, e isso acaba também se refletindo nos preços ao produtor, com o milho sendo disputado. A oferta restrita segue determinando sustentação aos preços, com os vendedores dosando o que surge no mercado.

    No balanço da semana, o preço do milho na base de compra no Porto de Santos subiu de R$ 57,00 para R$ 60,00 a saca.

     Já no mercado disponível, o preço do milho em Campinas/CIF subiu na base de venda na semana de R$ 60,00 para R$ 63,00 a saca de 60 quilos. Na região Mogiana paulista, o cereal passou de R$ 57,00 para R$ 60,00 a saca no comparativo.

      Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço avançou de R$ 51,00 para R$ 55,00 aa saca na base de venda. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação subiu de R$ 48,00 para R$ 50,00 a saca. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve alta de R$ 57,00 para R$ 60,00.

     Em Uberlândia, Minas Gerais, a cotações do milho subiram na semana de R$ 52,00 para R$ 58,00 a saca. Em Rio Verde, Goiás, o mercado passou de R$ 48,00 para R$ 51,00 a saca.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 / Grupo CMA