Açúcar cai 3% em NY, ainda impactado por OIA e por perdas do petróleo

115

    Porto Alegre, 03 de setembro de 2020 – A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em forte baixa.

     As cotações futuras do açúcar estenderam as perdas de ontem depois que a Organização Mundial do Açúcar (OIA) divulgou seu relatório trimestral de acompanhamento do mercado. A entidade descartou sua projeção que o mercado global apresentaria o maior déficit de oferta em 11 anos no ciclo 2019/20.

     Em maio, a OIC havia apontado que a temporada 2019/20, que será encerrada em outubro, teria um déficit de 9,298 milhões de toneladas, mas cortou agora essa estimativa para um déficit de apenas 136 mil toneladas. “O balanço global mudou consequentemente do maior déficit em 11 anos para uma neutralidade”, salientou a entidade.

     Ao mesmo tempo, as perdas do petróleo podem desestimular a produção de etanol no Brasil na reta final da safra 2020/21 da principal região canavieira do país, aumentando a oferta de açúcar.

    Os preços dos contratos futuros de petróleo dão sequência às perdas da sessão anterior, atingindo o ponto mais baixo desde o início de agosto, diante de sinais de recuperação mais lenta da demanda por combustíveis, especialmente por gasolina nos Estados Unidos.

    Nas intradiárias, os futuros do açúcar romperam suportes gráficos importantes e chegaram a operar abaixo da linha de 12 centavos de dólar, caindo cerca de 4% e rompendo suportes gráficos, mas se recuperaram parcialmente.

    Os contratos com entrega em outubro/2020 encerraram o dia a 12,07 centavos de dólar por libra-peso, com queda de 0,37 centavo (-2,97%) em relação ao fechamento anterior. A mínima do dia foi de 11,90 centavos, e a máxima chegou a 12,44 centavos.

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA