Embarques de café do Brasil em agosto atingem 3,2 milhões de sacas

133

    Porto Alegre, 04 de setembro de 2020 – Com a colheita de uma safra recorde de café chegando ao final, os embarques brasileiros do grão seguiram muito fortes ao longo de agosto. A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) divulgou os dados fechados do mês nesta semana. Enquanto isso, a Organização Internacional do Café (OIC) revisou seus dados de oferta e demanda e estima um superávit na oferta global em 2019/20 de quase 1 milhão de sacas.

      As exportações brasileiras de café em grão em agosto chegaram a 3.190.698 sacas de 60 quilos no acumulado fechado do mês, com 21 dias úteis computados (média diária de 151.938 sacas), com receita chegando a US$ 370,818 milhões (média diária de US$ 17,658 milhões), e preço médio de US$ 116,21 por saca.

     A receita média diária obtida com as exportações de café em grão em agosto foi 3,89% maior no comparativo com a média diária de agosto de 2019, que fora de US$ 16,997 milhões. Já o volume médio diário embarcado foi 6,17% maior que o de agosto de 2019, que tinha o registro de 143.115 sacas diárias de média. As informações partem da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

OIC

     A produção global de café no ano-safra 2019/20 (outubro-setembro) deve totalizar 169,344 milhões de sacas, queda de 2,2% na comparação com 2018/19 (173,096 milhões de sacas), disse a OIC nesta quarta-feira em seu relatório mensal de acompanhamento do mercado. Em agosto, a OIC indicara a produção global em 168,006 milhões de sacas.

     A produção mundial de café arábica está estimada em 95,987 milhões de sacas em 2019/20 (-5%). Por outro lado, a safra de robusta deve aumentar 1,9%, totalizando 73,357 milhões de sacas.

     Já o consumo global de café em 2019/20 é visto pela OIC em 168,392 milhões de sacas, com crescimento anual de 0,3% (167,837 milhões de sacas em 2018/19), contra as 168,492 milhões de sacas apontadas em agosto.

     Se todos esses números forem confirmados, o mercado global de café terá um superávit entre a oferta e a demanda na ordem de 952 mil sacas em 2019/20, após um excedente de 5,259 milhões de sacas observado em 2018/19. Em agosto, a OIC projetava um déficit de 486 mil sacas para 2019/20.

     Conforme a OIC, a produção de café deve cair em todas as regiões do globo em 2020, exceto na Ásia e Oceania. No Brasil, a produção da safra 2019/20 (colhida em 2019) caiu cerca de 10,9%, para 58 milhões de sacas. A colheita da safra 2020/21 não foi severamente afetada pela pandemia de covid-19, com a produção devendo se assemelhar a outros anos de ciclo alto.

     Sobre o consumo global de café, a OIC salientou que o crescimento no consumo dentro dos lares ajudou a limitar a queda na demanda provocada pela pandemia. No entanto, a metade final da temporada 209/20 tem sido afetada pela queda na economia global e a limitada recuperação no consumo fora do lar. Como resultado, a entidade passou agora a projetar um superávit no balanço entre a oferta e a demanda.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA