Café reage e recupera linha de US$ 1,30 em NY, olhando safra 2021 do Brasil

141

     Porto Alegre, 10 de setembro de 2020 – A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quinta-feira com preços mais altos.

     A sessão foi bastante volátil e NY teve perdas no começo, dando sinais de estender o movimento corretivo de realização de lucros. Porém, a continuação da queda nos estoques certificados da Bolsa de Nova York e os olhares para a safra brasileira de 2021, que será menor pelo ciclo bienal da cultura, e ainda com apreensão com a falta de chuvas, determinou uma recuperação.

     Os estoques certificados da Bolsa de NY caíram já em 2020 de 2,032 milhões de sacas para 1,152 milhão de sacas, o que equivale a uma queda de 43%. É o menor patamar em 20 anos. Isso sugere escassez de cafés arábicas de alta qualidade.

     O Brasil está em período de abertura de floradas, mas muitas regiões passam por déficit hídrico, o que se for mantido pode trazer quebra para uma safra de 2021 que já será menor ao normal pelo ciclo bienal da cultura.

     Tecnicamente, NY reagiu e recuperou a importante linha técnica e psicológica de US$ 1,30 a libra-peso no contrato dezembro.

     Os contratos com entrega em dezembro fecharam o dia a 131,70 centavos de dólar por libra-peso, com alta de 2,85 centavos, ou de 2,2%. A posição março/2021 fechou a 132,60 centavos, com elevação de 2,95 centavos, ou de 2,3%.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA