Preço doméstico do arroz segue elevado, mesmo com retirada da TEC

64

     Porto Alegre, 18 de setembro de 2020 – Os preços domésticos do arroz seguem firmes no mercado brasileiro, apesar da decisão do Governo Federal de retirar a Tarifa Externa Comum (TEC) para 400 mil toneladas de arroz de fora do Mercosul até 31 de dezembro. No Rio Grande do Sul, referência para os preços nacionais, a saca de 50 quilos tinha média de R$ 105,40 no dia 17 de setembro, ante R$ 105,15 por saca no dia 10 de setembro. Em 30 dias, a alta acumulada era de 76,65%. Frente ao mesmo período do ano anterior, a elevação chegava a 131,67%.

     Para o analista, a retirada da TEC deverá ter um impacto diminuto nos preços, já que o montante de 400 mil toneladas representa menos de um mês de consumo. “Na verdade, são 20 dias”, relata. “A possibilidade da média da saca gaúcha baixar de R$ 100 é pequena. Dependeria de uma queda significativa do dólar”, pondera. Por enquanto, apesar de grande volatilidade, a moeda norte-americana tem oscilado entre R$ 5,20 e R$ 5,30, nível favorável às exportações. “Além do dólar alto, os preços internacionais estão elevados, o que dificulta as importações”, acrescenta.

     Na temporada 2020/21, entre março e agosto, foram exportadas 1,311 milhão de toneladas e importadas 440 mil toneladas. Com isso, o saldo da balança comercial agora é de 871 mil toneladas positivas. “Com estoques de passagem muito curtos na temporada 2020/21 (março de 2020 a fevereiro de 2021), o Brasil vai precisar importar mais 1,2 milhão de toneladas até fevereiro”, prevê Viana. “Dependendo das exportações, a necessidade pode ser até maior”, adverte.

     Com a retirada da TEC, Viana acredita que as principais origens de fora do Mercosul devem ser os Estados Unidos e a Índia. “Atualmente, a saca de 50 quilos de arroz em casca vinda destes países chega próxima a R$ 100 no mercado brasileiro”, salienta.

     Rodrigo Ramos (rodrigo@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA