Preços do milho devem seguir firmes no Brasil, com oferta restrita

129

     Porto Alegre, 1 de outubro de 2020 – O mercado brasileiro de milho deve iniciar o mês de outubro com preços em alta, sustentado pelo quadro de escassez de oferta interna. No cenário internacional, a Bolsa de Chicago estende o tom positivo da última sessão.

     Ontem (30), o mercado brasileiro de milho registrou preços firmes no Brasil novamente. Com a alta na Bolsa de Chicago para o cereal, as cotações ganharam ainda mais motivo para avançarem, com a oferta encolhendo nas principais regiões de comercialização, como destaca o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari.

     No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 67,00/69,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 66,00/68,00 a saca.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 60,00/61,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 64,00/67,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 66,00/68,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 67,00/69,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 58,00/60,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 58,50 – R$ 60,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 56,00/58,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* A posição dezembro opera com alta de 4,00 centavos, ou 1,05%, cotada a US$ 3,83 por bushel.

* O mercado mantém o tom positivo, no aguardo das vendas líquidas semanais norte-americanas de milho. O cereal ainda reflete o corte acima do esperado nos estoques trimestrais de milho na posição 1 de setembro.

* Os estoques trimestrais de milho dos Estados Unidos, na posição 1o de setembro de 2020, totalizaram 1,995 bilhão de bushels, conforme relatório divulgado há pouco pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O volume estocado é 10% menor frente a igual período de 2019, que indicava estoques de 2,220 bilhões de bushels. O volume indicado pelo Departamento ficou abaixo do esperado pelo mercado, de 2,243 bilhões de bushels.

* Ontem (30), os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 3,79, com ganho de 14,25 centavos, ou 3,9%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial opera com perda de 0,21% neste momento, cotado a R$ 5,6060.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram mistas. Xangai, feriado; Tóquio, -0,48%.

* As principais bolsas na Europa operam em alta. Paris, +0,90%; Frankfurt, +0,28%; Londres, +0,55%.

* O petróleo opera com perdas. Novembro do WTI em NY: US$ 39,50 o barril (-1,79%).

* O Dollar Index registra baixa de 0,30%, a 93,61 pontos.

AGENDA

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30min.

– Balança comercial de setembro – Ministério da Economia, 15hs.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (02/10)

– Japão: A taxa de desemprego de agosto será publicada na noite anterior pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicação.

– China: As bolsas de Xangai e Hong Kong permanecem fechadas devido a feriados locais.

– Eurozona:  A leitura preliminar do índice de preços ao consumidor de setembro será publicada às 6h pela Eurostat.

– O IBGE divulga às 9h os dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Industrial referentes a agosto.

– EUA: O número de empregos criados ou perdidos pela economia (payroll) e a taxa de desemprego referentes a setembro serão publicados às 9h30 pelo Departamento do Trabalho.

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA