Com Chicago e dólar subindo, preços do milho estiveram firmes em setembro

221

    Porto Alegre, 02 de outubro de 2020 – O mercado brasileiro de milho teve mais uma semana de preços firmes e fechou setembro com valorização predominante entre as principais regiões de comercialização. A oferta limitada, restrita, garantiu suporte para as cotações. O dólar elevado e a Bolsa de Chicago atingindo para o milho os valores mais elevados em quase sete meses foram fatores de alta para o cereal no Brasil.

     Ao longo do mês, houve momentos de queda nas cotações do milho. A oferta melhorou, refletindo enfim a entrada maior do milho safrinha na comercialização, e os preços caíram em parte do mês. Porém, depois a oferta novamente encurtou, com o dólar dando suporte aos preços nos portos e com a Bolsa de Chicago fortalecendo mais ainda o sentimento positivo para o milho.

     Com o dólar avançando e com a Bolsa de Chicago tendo subidas, os preços no Brasil ganharam força primeiramente nos portos, com vistas às exportações. Com a exportação disputando o milho com o consumo doméstico, e com a oferta bem dosada pelos vendedores, pouco a pouco os preços do milho foram avançando.

     Na Bolsa de Chicago, o milho subiu bastante ao longo da semana e de setembro. Destaque para a divulgação do relatório de estoques trimestrais na posição 01 de setembro, divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que indicou um volume abaixo do esperado pelo mercado.

     Em setembro, na Bolsa de Chicago, a posição dezembro subiu 8,75%. No terceiro trimestre, a alta acumulada é de 11,96%.

     Os estoques trimestrais de milho dos Estados Unidos, na posição 1o de  setembro de 2020, totalizaram 1,995 bilhão de bushels, conforme o USDA. O volume estocado é 10% menor frente a igual período de 2019, que indicava estoques de 2,220 bilhões de bushels. O volume indicado pelo Departamento ficou abaixo do esperado pelo mercado, de 2,243 bilhões de bushels.

     Do total, 750,8 milhões de bushels estão armazenados com os produtores, com recuo de 8% frente aos 814,1 milhões de bushels indicados em igual período de 2019. Os estoques fora das fazendas somam 1,244 bilhão de bushels, com queda de 12% frente aos 1,406 bilhão de bushels indicados em 01 de setembro de 2019. O volume ficou menor também ante os 5,019 bilhões de bushels indicados na posição 1o de junho.

     O dólar em elevação voltou a ser aspecto de sustentação. O comercial em setembro acumulou alta de 2,55%, passando de R$ 5,478 para R$ 5,618.

     No balanço de setembro, o preço do milho na base de compra no Porto de Santos subiu de R$ 61,00 para R$ 65,00 a saca, alta de 6,6%.

     Já no mercado disponível ao produtor, o preço do milho em Campinas/CIF subiu na base de venda no mês de setembro no comparativo com o final de agosto de R$ 65,00 para R$ 66,00 a saca de 60 quilos, alta de 1,5%. Na região Mogiana paulista, o cereal passou de R$ 63,00 para R$ 64,00 a saca no comparativo, elevação de 1,6%.

      Em Cascavel, no Paraná, no comparativo mensal, o preço subiu de R$ 57,00 para R$ 60,50 a saca, aumento de 6,1%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação avançou de R$ 52,00 a saca para R$ 57,00, aumento de 9,6%. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve avanço de R$ 62,00 para R$ 69,00, alta de 11,3%.

      Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho avançaram no mês de R$ 58,00 para R$ 60,00 a saca, subida de 3,4%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado passou de R$ 55,00 para R$ 57,00 a saca, alta de 3,6%.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 / Grupo CMA