Preços da soja mantêm escalada e saca supera R$ 170,00 no Brasil

294


     Porto Alegre, 23 de outubro de 2020 A falta de soja disponível mantém as cotações em trajetória ascendente nas principais praças de comercialização do país. Com Chicago, prêmios e dólar em patamares firmes, a saca de 60 quilos apresentou indicações acima de R$ 170,00 em algumas regiões nesta semana.

     Bem capitalizado, o produtor saiu do mercado e praticamente travou a comercialização nesta semana. O foco do mercado se volta para o plantio da nova safra, que segue atrasado. As chuvas voltaram, mas não foram uniformes. Houve avanço considerável em algumas praças, mas em geral ainda há necessidade de precipitações para regularizar a umidade.

     O atraso na semeadura no Brasil ajudou a sustentar as cotações futuras na Bolsa de Chicago. Nesta semana, os contratos com vencimento em novembro atingiram a casa de US$ 10,85 por bushel, o maior patamar em quatro anos. A partir desse patamar houve um movimento de realização de lucros, mas a cotação se mantém elevada, em torno de US$ 10,75.

     A demanda firme pela soja americana, principalmente por parte dos chineses, é outro fator de sustentação para as cotações externas e a tendência é de que a janela de compras asiáticos nos Estados Unidos se amplie.

     Complementando o cenário favorável aos preços no Brasil, o dólar segue sustentando, na casa de R$ 5,60, ainda em meio ao clima de aversão ao risco para a economia global. Os prêmios de exportação também subiram, superando 300 pontos acima de Chicago.

     TEC

     A decisão de zerar a TEC – Tarifa Externa Comum – da soja em grão já era esperada e abre a possibilidade das indústrias comprarem a oleaginosa nos Estados Unidos. A avaliação é do analista e consultor de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Roque.

     “O governo está ativando o mecanismo porque estamos com problemas de abastecimento, principalmente em relação à soja até a entrada da próxima safra. Com o imposto zerado, abre a possibilidade de trazermos soja de outros lugares, fora do Mercosul. E quem pode se destacar como origem ao Brasil são os Estados Unidos”, explica.

     Segundo o analista, trazer soja dos Estados Unidos não é comum, mas dependendo da região a conta fecha. “Algumas indústrias, que vão precisar do produto e não querem ficar apertadas até o final do ano, início do ano que vem, podem importar soja americana”, acredita Roque.

     O consultor não aposta na aquisição de grandes volumes, mas não descarta as compras. “A decisão do governo abre a possibilidade de ajuda para as indústrias que têm compromissos dentro nos próximos meses e que estão sentindo essa falta de soja e estão pagando muito caro pela soja brasileira.

    O analista lembra que a maior necessidade deve ocorrer a partir de janeiro, já que o país deve ter atraso na entrada da safra, em decorrência da falta de chuvas nesta fase inicial de plantio da safra nova.  “Nossos estoques vão ser mínimos em janeiro. Praticamente zero”, alerta, acrescentando que as indústrias deverão continuar adquirindo soja no Mercosul, principalmente no mercado paraguaio.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA