Preços do milho devem seguir firmes, com perdas por seca no Brasil

310

     Porto Alegre, 6 de novembro de 2020 – O mercado brasileiro de milho deve fechar a semana com preços firmes, em meio às perdas na safra de verão já registradas pela falta de chuvas em estados como Rio Grande do Sul e Santa Catarina, o que leva o produtor a reter ainda mais as ofertas disponíveis para venda. No cenário internacional a Bolsa de Mercadorias de Chicago opera com preços estáveis.

     Ontem (5), o mercado brasileiro de milho manteve preços firmes. Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, a tensão persiste com as condições climáticas para a safra de verão, com falta de umidade em importantes regiões.

      Molinari indica que já há perdas fortes no Rio Grande do Sul e Santa Catarina nas lavouras em fase de pendoamento e isto mantém o mercado sustentado, com vendedores segurando a oferta. Nas demais regiões também há muita atenção com o clima e preços firmes.

     No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 78,00/84,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 77,00/83,00 a saca.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 78,00/80,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 80,00/84,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 82,00/84,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 84,00/87,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 75,00/76,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 72,50 – R$ 75,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 76,00/78,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* A posição dezembro opera com estabilidade, cotada a US$ 4,09 1/4 por bushel. Os demais contratos recuam em Chicago.

* O mercado chegou a ter ganhos mais cedo, enfileirando a sexta alta seguida, mas perdeu força e opera com tendência de queda em meio a um movimento de realização de lucros acumulados. O mercado segue atento às eleições presidenciais norte-americanas e entra em compasso de espera para o relatório de oferta e demanda de novembro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, que será divulgado na terça-feira (10).

* A produção de milho dos Estados Unidos para a temporada 2020/21 deve ser apontada em 14,645 milhões de bushels, abaixo dos 14,722 bilhões previstos em outubro, segundo adidos e traders consultados por agências internacionais.

* A produtividade média da safra 2020/21 deve ser reduzida de 178,4 bushels por acre para 177,5 bushels por acre.

* Os estoques de passagem da safra 2020/21 dos Estados Unidos devem ser apontados em 2,048 bilhões de bushels, ante os 2,167 bilhões estimados no mês passado.

* A previsão é de que os estoques finais de passagem da safra mundial 2019/20 sejam apontados em 300,9 milhões de toneladas, abaixo dos 304,2 milhões indicados no mês passado.

* Para a safra 2020/21 a estimativa é de que os estoques finais globais fiquem em 297,8 milhões de toneladas, abaixo das 300,5 milhões de toneladas indicadas em outubro.

* Ontem (5), os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 4,09 1/4, alta de 4,00 centavos de dólar, ou 0,98%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra valorização de 0,25%, cotado a R$ 5,56.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram mistas. Xangai, -0,24%. Tóquio,

+0,91%.

* As principais bolsas na Europa operam em baixa. Paris, -0,84%; Frankfurt,

-0,96%; Londres, -0,23%.

* O petróleo opera com perdas. Dezembro do WTI em NY: US$ 37,54 o barril

(-3,19%).

* O Dollar Index registra baixa de 0,23%, a 92,31 pontos.

AGENDA

– EUA: O número de empregos criados ou perdidos pela economia (payroll) e a taxa de desemprego referentes a outubro serão publicados às 10h30 pelo Departamento do Trabalho.

– Dados de exportação, vendas e produção de máquinas agrícolas em outubro – Anfavea, a partir das 10h30min.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

– Levantamento sobre a evoluções do plantio de soja no Brasil – SAFRAS, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA