Preços do suíno avançam mesmo com ritmo mais lento nos negócios

211

     Porto Alegre, 6 de novembro de 2020 – O mercado brasileiro de suínos registrou uma movimentação mais modesta nos negócios, com uma certa cautela por parte dos frigoríficos. Mesmo assim, segundo a avaliação do analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, os preços voltaram a avançar no país, em meio à oferta ajustada de suínos vivos nos estados.

     Maia ressalta que a demanda tende a avançar nos próximos dias, com a entrada da massa salarial na economia. “Um ponto positivo é que a carne bovina segue com preços em patamares muito elevados, o que tende a favorecer produtos substitutos, como os cortes suínos e a carne de frango”, comenta.

     Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil avançou 2,75% ao longo da semana, de R$ 7,94 para R$ 8,15. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado passou de R$ 13,59 para R$ 13,79, aumento de 1,47%. A carcaça registrou um valor médio de R$ 13,53, ante os R$ 13,35 praticados na semana passada, com valorização de 1,36%.

      Segundo Maia, a exportação brasileira perdeu um pouco de ritmo na última semana, mas o número de outubro pode ser considerado bom. De acordo com dado preliminar divulgado pela SECEX, o Brasil exportou 77,4 mil toneladas de carne suína fresca, refrigerada ou congelada em outubro, com uma média diária de 3,870 mil toneladas. “Com o volume industrializado, que deve ser divulgado nos próximos dias, a exportação do mês deve fechar próximo a 85 mil toneladas”, pontua.

     A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 181,00 para R$ 185,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 5,30 para R$ 5,50. No interior do estado a cotação seguiu em R$ 9,00.

     Em Santa Catarina o preço do quilo na integração passou de R$ 5,50 para R$ 5,90. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 9,40 para R$ 9,60. No Paraná o quilo vivo subiu de R$ 9,00 para R$ 9,20 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo aumentou de R$ 5,45 para R$ 5,80.

     No Mato Grosso do Sul a cotação na integração passou de R$ 5,90 para R$ 6,20, enquanto em Campo Grande o preço continuou em R$ 7,50. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 9,30 para R$ 9,50. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno aumentou de R$ 9,50 para R$ 9,80. No mercado independente mineiro, o preço teve elevação de R$ 9,60 para R$ 9,80. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo na integração do estado subiu de R$ 5,30 para R$ 5,50. Já em Rondonópolis a cotação avançou de R$ 7,90 para R$ 8,10.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA