Mercado de milho deve ter dia de cautela, atento ao USDA e câmbio

315

     Porto Alegre, 10 de novembro de 2020 – O mercado brasileiro de milho deve ter um dia de cautela nos negócios, com a atenção voltada ao câmbio e ao relatório de oferta e demanda de novembro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Os investidores devem avaliar também os dados divulgados hoje pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra brasileira de grãos. No cenário internacional a Bolsa de Mercadorias de Chicago opera com preços em alta, em compasso de espera do USDA.

     Ontem (9), o mercado brasileiro de milho teve uma segunda-feira de preços pouco alterados. Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, o mercado teve o surgimento de alguma melhor oferta regional, com acomodação nos preços nestas localidades. “A volatilidade forte do câmbio deixou o mercado um pouco sem rumo no dia”, indicou.

     No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 75,00/80,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 73,00/78,00 a saca.

      No Paraná, a cotação ficou em R$ 78,00/80,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 79,00/81,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 80,00/81,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 85,00/87,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 74,00/76,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 71,00 – R$ 75,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 76,00/78,00 a saca em Rondonópolis.

CONAB

* A produção brasileira de milho em 2020/21 deverá ficar em 104,890 milhões de toneladas, conforme o segundo levantamento para a safra brasileira de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com avanço de 2,3% na comparação com a temporada passada, quando foram colhidas 102,515 milhões de toneladas. No mês passado a safra havia sido aponta em 105,167 milhões de toneladas.

* A Conab indica uma área plantada de 18,442 milhões de hectares, baixa de 0,5% se comparado à última temporada, quando foram semeados 18,527 milhões de hectares. A Conab trabalha com uma produtividade média nacional de 5.688 quilos de milho por hectare, 2,8% superior à média de 5.533 quilos por hectare de 2019/20.

* A produção da primeira safra está estimada em 26,489 milhões de toneladas, com avanço de 3,2% sobre o ano anterior, quando foram colhidas 25,689 milhões de toneladas na safra de verão. A área deve recuar 2%, passando de 4,235 milhões de hectares para 4,150 milhões de hectares. A produtividade média subir 5,2%, de 6.065 quilos por hectare para 6.382 quilos por hectare.

* Em relação à segunda safra, ou safrinha, a Conab prevê produção de 76,763 milhões de toneladas em 2020/21, com ganho de 2,3% sobre à safra anterior, quando a safra ficou em 75,053 milhões de toneladas. A área deve ficar em 13,755 milhões de hectares, sem alterações. A produtividade média subir 2,3%, de 5.456 quilos por hectare para 5.580 quilos por hectare.

* Para a terceira safra 2020/21, a Conab prevê produção de 1,638 milhão de toneladas, com baixa de 7,6% sobre à temporada anterior, quando a safra ficou em 1,772 milhão de toneladas. A área deve ficar em 535,6 mil hectares, sem alterações. A produtividade média cair 7,4%, de 3.305 quilos por hectare para 3.059 quilos por hectare.

CHICAGO

* A posição dezembro opera com ganho de 3,00 centavos, ou 0,73%, cotada a US$ 4,10 1/2 por bushel.

* O mercado se posiciona frente ao relatório de oferta e demanda de novembro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, que será divulgado nesta terça-feira (10).

* A produção de milho dos Estados Unidos para a temporada 2020/21 deve ser apontada em 14,645 milhões de bushels, abaixo dos 14,722 bilhões previstos em outubro, segundo adidos e traders consultados por agências internacionais.

* A produtividade média da safra 2020/21 deve ser reduzida de 178,4 bushels por acre para 177,5 bushels por acre.

* Os estoques de passagem da safra 2020/21 dos Estados Unidos devem ser apontados em 2,048 bilhões de bushels, ante os 2,167 bilhões estimados no mês passado.

* A previsão é de que os estoques finais de passagem da safra mundial 2019/20 sejam apontados em 300,9 milhões de toneladas, abaixo dos 304,2 milhões indicados no mês passado.

* Para a safra 2020/21 a estimativa é de que os estoques finais globais fiquem em 297,8 milhões de toneladas, abaixo das 300,5 milhões de toneladas indicadas em outubro.

* Ontem (9), os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 4,07 1/2, alta de 0,75 centavo de dólar, ou 0,18%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial opera com queda de 0,35%, cotado a R$ 5,3670.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram mistas. Xangai, -0,40%. Tóquio, +0,26%.

* As principais bolsas na Europa operam em alta. Paris, +1,06%; Frankfurt, +0,02%; Londres, +1,24%.

* O petróleo opera com ganhos. Dezembro do WTI em NY: US$ 40,62 o barril (0,79%).

* O Dollar Index registra alta de 0,10%, a 92,81 pontos.

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Paraná – Deral, na parte da manhã.

– Relatório de novembro de oferta e demanda mundial e norte-americana para grãos – USDA, 14hs.

—–Quarta-feira (11/11)

– Feriado parcial nos EUA – Veterans Day. Os mercados operam normalmente, mas os escritórios oficiais não abrem.

– Resultado financeiro da JBS.

—–Quinta-feira (12/11)

– Reino Unido:  A balança comercial de setembro será publicada às 4h pelo departamento de estatísticas.

– Reino Unido:  A leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre de 2020 será publicada às 4h pelo departamento de estatísticas.

– Reino Unido: O índice de produção industrial de setembro será publicado às 4h pelo departamento de estatísticas.

– Alemanha: A versão revisada do índice de preços ao consumidor de outubro será publicada às 4h pelo Destatis.

– Eurozona:  A produção industrial de setembro será publicada às 7h pela Eurostat.

– Pesquisa trimestral de abates de animais – IBGE, 9hs.

– EUA: O índice de preços ao consumidor de outubro será publicado às 10h30 pelo Departamento do Trabalho.

– A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 13hs pelo Departamento de Energia (DoE).

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (13/11)

– Alemanha:  A leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) de terceiro trimestre de 2020 será publicada às 4h pelo Destatis.

– Eurozona:  A leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) de terceiro trimestre de 2020 será publicada às 7h pela Eurostat.

– Eurozona:  A balança comercial de setembro será publicada às 7h pela Eurostat.

– Resultado financeiro da Cosan.

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– O BC divulga às 9h o índice de atividade econômica (IBC-Br) referentes a setembro.

– EUA: O índice de preços ao produtor de outubro será publicado às 10h30 pelo Departamento do Trabalho.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 10h30min.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

– Levantamento sobre a evoluções do plantio de soja no Brasil – SAFRAS, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA