fbpx
Mercado

Conheça os pontos que deverão guiar o mercado de soja nos próximos dias

Porto Alegre, 15 de março de 2019 – Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado de soja na próxima semana. As dicas são do analista de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Roque:

– As atenções do mercado permanecem voltadas para os novos capítulos da guerra comercial entre EUA e China. Sinais de demanda chinesa pela soja dos EUA neste contexto ganham grande importância. O desenvolvimento final da safra sul-americana completa o quadro de fatores.

– A semana foi de certa recuperação nos contratos futuros em Chicago com o retorno do otimismo em relação às negociações entre EUA e China rumo a um acordo comercial. Embora notícias recentes indiquem que o encontro entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping ocorrerá apenas em abril, as negociações continuam evoluindo entre representantes do alto escalão dos governos de ambos os países. A sinalização de um avanço na questão envolvendo a propriedade intelectual, fator-chave das discussões, é bastante positivo.

– Embora o mercado renove as esperanças, apenas fatos concretos irão trazer fôlego para Chicago. A promessa de compras chinesas de soja norte-americana totalizando 10 milhões de toneladas precisa evoluir para anúncios oficiais. Nesta semana, apenas 1 milhão de toneladas foi confirmada.

– É provável que novos anúncios ocorram na próxima semana, o que deverá ser positivo para as cotações, mesmo que de forma limitada. Não ocorrendo anúncios, voltaremos a ver Chicago pressionado.

– A safra da América do Sul caminha para a reta final de seu desenvolvimento. A melhora climática registrada desde o início de fevereiro no Brasil parece ter impedido o aumento das perdas produtivas, trazendo um panorama favorável para as lavouras semeadas tardiamente ao redor do país. Não devemos ter mais cortes relevantes do tamanho da safra brasileira, que deve se consolidar entre 115 e 116 milhões de toneladas.

– Na Argentina, a safra se encaminha para ser cheia ou com perdas pouco expressivas, devendo totalizar 55 milhões de toneladas. Neste contexto, a oferta sul-americana deverá ser superior à do ano passado, fator que pesa sobre as cotações internas de Brasil e Argentina.

Gabriel Nascimento ([email protected]) / Agência SAFRAS

Copyright 2019 – Grupo CMA

Sobre o autor

Dylan Pasqua